Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tim Barrow é o novo embaixador britânico na União Europeia

JONATHAN ERNST/ Reuters

A nomeações surge em sequência da demissão de Ivan Rogers, que sai recomendando aos colegas da equipa de Bruxelas que desafiem "o pensamento confuso" e digam "a verdade ao poder" quanto às negociações para a saída do Reino Unido da UE

O Governo do Reino Unido anunciou esta quarta-feira a nomeação do diplomata Tim Barrow como o novo embaixador britânico na União Europeia (UE), após a inesperada demissão, na terça-feira, de Ivan Rogers.

Segundo um porta-voz do Governo britânico, a primeira-ministra, Theresa May, escolheu Barrow por recomendação do secretário do conselho de ministros, Jeremy Heywood. Está previsto que assuma o cargo de novo embaixador em Bruxelas na próxima semana.

“Como negociador hábil e experimentado, com uma vasta experiência em alcançar os objetivos do Reino Unido em Bruxelas, levará a sua conhecida energia e criatividade para o cargo e trabalhará com outros funcionários e ministros para fazer do Brexit um êxito”, afirmou fonte governamental.

Barrow confessou-se “desejoso de se juntar à forte equipa de liderança do ministério que vai negociar a saída da UE, para conseguir o resultado mais favorável ao Reino Unido”.

Tim Barrow é um diplomata de carreira que ocupou diversos cargos dentro do Ministério dos Negócios Estrangeiros e representou o Reino Unido junto de várias entidades da UE. O diplomata de 52 anos, que estudou nas universidades inglesas de Warwick e Oxford, foi também embaixador em Moscovo (2011-2015) e na Ucrânia (2006-2008).

O até agora embaixador britânico em Bruxelas, Ivan Rogers, anunciou na terça-feira que iria abandonar o cargo antes da data prevista, e em vésperas do início das negociações sobre o Brexit, por alegadas divergências com a gestão do Governo de May.

Na sua carta de demissão, divulgada nas últimas horas, recomenda aos colegas da equipa de Bruxelas que desafiem "o pensamento confuso" e digam "a verdade ao poder" quanto às negociações para a saída do Reino Unido da UE. Revela igualmente que, até agora, os funcionários desconhecem ainda quais são as prioridades de negociação do executivo de Londres.

A primeira-ministra disse que pretende iniciar as conversações com a Comissão Europeia antes do final de março, mas não forneceu pormenores sobre a sua estratégia negocial, por recear "revelar as suas cartas".

Após a controversa demissão de Rogers, o Partido Trabalhista, na oposição, pediu ao ministro conservador para o Brexit, David Davis, que compareça na próxima segunda-feira na Câmara dos Comuns para prestar esclarecimentos.