Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Detetadas partes do avião russo

MAXIM SHEMETOV/REUTERS

O Tu-154 do Ministério da Defesa russo despenhou-se no Mar Negro dois minutos e 44 segundos após a sua descolagem da estação balnear de Sochi quando se dirigia para a Síria com 92 pessoas a bordo

Diversas partes do avião russo TU-154 que se despenhou na madrugada de domingo no Mar Negro com 92 pessoas a bordo foram esta segunda-feira detetadas a 27 metros de profundidade, indicaram as equipas de regaste do ministério russo das Situações de urgência.

“Partes do avião foram descobertas a 27 metros de profundidade a cerca de uma milha náutica (1,8 quilómetros) das costas”, declarou uma porta-voz da equipa de salvamento em Sochi, Rimma Tchernova.

As equipas do Ministério tentam atualmente localizar onde se encontram cada fragmento do aparelho e a respetiva dimensão. As agências russas tinham-se referido previamente à descoberta da “fuselagem”.

O Tu-154 do Ministério da Defesa russo despenhou-se dois minutos e 44 segundos após a sua descolagem da estação balnear de Sochi quando se dirigia para a Síria com 92 pessoas a bordo, incluindo oito membros da tripulação.

As causas do acidente ainda não são conhecidas mas os investigadores parecem ter afastado a hipótese de atentado terrorista.

No local do acidente prossegue uma gigantesca operação para encontrar os destroços e as caixas negras do Tupolev: mais de 3.500 pessoas, incluindo 150 mergulhadores, 45 embarcações, cinco helicópteros e diversos 'drones' permanecem mobilizados.

Segundo o ministério da Defesa, foram recuperados até ao momento 11 corpos e 150 fragmentos do avião.

O avião despenhou-se na madrugada de domingo pouco após ter descolado às 5h25 (hora local, 2h25 em Lisboa) do aeroporto de Sochi, onde efetuou uma escala para reabastecimento de combustível e após ter partido do aeródromo militar de Chkalovsky, na região de Moscovo.

A bordo estavam 64 membros do Alexandrov Ensemble -- o grupo musical oficial das Forças Armadas, também conhecido por Coro do Exército Vermelho --, e o seu maestro, Valery Khalilov.

“O grupo ficou órfão de um terço dos seus membros”, referiu o canal estatal Rossiya.

O coro deveria atuar para as tropas russas estacionadas na base aérea de Hmeimim, utilizada para desencadear os ataques aéreos em apoio às forças do Presidente sírio Bashar al-Assad, um aliado de Moscovo.