Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A notícia falsa que gerou um confronto diplomático (no Twitter)

Win McNamee

Ministro da Defesa do Paquistão lembra Israel que o seu país "também é uma potência nuclear" depois de portal de notícias "noticiar" ameaça do Governo hebraico

Uma notícia falsa publicada num portal online a 20 de dezembro levou a um pequeno confronto diplomático antes do Natal em que o ministro paquistanês da Defesa lembrou Israel no Twitter que o seu país também uma potência com capacidades nucleares.

A troca de avisos e lembranças entre Khawaja Mohammad Asif e o homólogo israelita aconteceu na sequência de uma alegada notícia intitulada "Ministro da Defesa de Israel: Se o Paquistão enviar tropas para o terreno na Síria sob qualquer pretexto, vamos destruir o país com um ataque nuclear", que foi publicada no site AWD News há seis dias.

Numa aparente resposta à história, Asif deixou um aviso às autoridades hebraicas, escrevendo no Twitter que "o Paquistão também é um Estado nuclear".

No sábado, Avigdor Liberman respondeu ao homólogo paquistanês na mesma rede social, garantindo que a história original é "totalmente ficcional". Horas depois, grupos de fact-checking identificaram o AWD News como sendo um site de "notícias falsas".

No domingo, Asif publicou um novo tweet, com uma referência à página do jornal "New York Times" na rede de microblogging, a dizer que "o programa nuclear [paquistanês] é apenas uma [arma de] dissuasão para proteger a nossa liberdade" e que os paquistaneses "desejam coexistir em paz, tanto na região como para lá dela".

Israel continua a manter uma política nuclear ambígua, sem confirmar nem desmentir a existência de um arsenal atómico, embora a comunidade internacional acredite há muito que o Estado hebraico tem armas nucleares. O Paquistão começou a desenvolver as suas capacidades nucleares em 1998. Os dois países não mantêm relações diplomáticas.

Recentemente, "notícias" igualmente falsas sobre uma rede de pedofilia que seria gerida por Hillary Clinton e outros políticos do Partido Democrata dos EUA numa pizaria do estado de Washington levaram um homem a atacar a superfície comercial com uma arma de fogo. O suspeito de 35 anos, que não foi identificado publicamente, abriu fogo dentro do restaurante Comet Ping Pong porque acreditou nessa informação. Não houve mortos nem feridos.

A questão das notícias falsas disseminadas na internet ganhou destaque após Donald Trump ter derrotado Clinton nas presidenciais de novembro, quando vários media noticiaram que o candidato republicano terá conseguido vencer, em parte, graças à desinformação nas redes sociais.

Há dua semanas, e em reação a essas denúncias, o Facebook anunciou que vai começar a identificar notícias falsas através de uma rede de "verificadores de conteúdos" que vão avisar os utilizadores quando alguma coisa que estão prestes a partilhar não corresponde à realidade. Ainda assim, nada impedirá os internautas de publicar esses artigos.