Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Putin anuncia dia de luto nacional pelas vítimas de queda de avião militar

Sean Gallup

Aparelho ia a caminho da Síria e despenhou-se este domingo de manhã (de madrugada em Portugal), matando todos os seus 92 ocupantes. Neste momento, estão em estudo todas as causas possíveis para o acidente, incluindo atentado

O Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou este domingo que segunda-feira, 26 de dezembro, será dia de luto nacional pelas vítimas da queda de um avião militar que se despenhou no Mar Negro este domingo de manhã matando todos os seus 92 ocupantes.

"Amanhã será decretado dia de luto nacional", disse na televisão russa. Antes já tinha informado também que será feita "uma investigação exaustiva" para apurar as causas do que se passou, sendo que, para já, todas as hipóteses estão em cima da mesa, ou seja, tanto acidente como atentado.

Putin já tinha dito também que "tudo será feito para apoiar os familiares das vítimas". A bordo seguiam militares, nove jornalistas russos e 64 membros do Ensemble Alexandrov, coro e grupo de dança do exército russo.

Neste momento, ainda só foram encontrados 11 corpos, porque o avião despenhou-se num local de acesso difícil, a 1,5 quilómetros da costa e a 70 metros de profundidade.

Mas no local estão mais de três mil pessoas, 27 navios e embarcações, quatro helicópteros e 'drones', indicou o porta-voz do exército russo, Igor Konachenkov, acrescentando que é esperado um reforço significativo da equipa de 37 mergulhadores que participa nas buscas.

O avião, um aparelho Tu-154 viajava do aeroporto de Sochi, na costa do Mar Negro, em direção à base russa de Hmeimim, perto de Latakia, na Síria, e desapareceu dos radares poucos minutos após a descolagem.

Por isso mesmo, o Presidente sírio, Bachar al-Assad, que tem na Rússia um aliado na guerra da Síria e no objetivo de reconquista de Alepo - foi dos primeiros a dar as condolências a Putin, ao povo russo e às famílias das vítimas.

Além dos já referidos, entre os passageiros também se encontrava a presidente a fundação "Ajuda Justa", Elizaveta Glinka, que acompanhava um carregamento humanitário destinado a um hospital sírio.

A agência de notícias oficial síria, SANA, informou que al-Assad enviou uma mensagem a Putin na qual expressou uma "grande tristeza" pelos falecidos, que eram "queridos amigos que estavam a caminho da Síria para partilhar com os sírios a alegria das festas de Natal e pela vitória em Alepo".

"Síria e a Rússia são sócios na luta contra o terrorismo e partilham alegrias e penas", disse ainda citado pela mesma agência.

Outro líder mundial que já expressou a suas condolências foi a chanceler alemã, Angela Merkel e também o ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, que expressou, num outro comunicado, um “profundo pesar” sobre a “terrível catástrofe” da queda do avião militar russo.

  • Avião militar russo cai com 92 pessoas a bordo

    O aparelho transportava militares e membros do Alexandrov Ensemble, o grupo musical oficial do exército, que se deslocavam à Síria para participar nas celebrações de Ano Novo com os soldados russos. No total, seguiam 92 pessoas a bordo. O ministro da Defesa russo informou que não há sobreviventes. Por enquanto, está afastada a hipótese de atentado terrorista