Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cruz Vermelha confirma fim da retirada de civis e combatentes em Alepo

BARAA AL-HALABI/GETTY IMAGES

Saíram 35.000 pessoas de Alepo, segundo os registos do Comité Internacional da Cruz Vermelha. Entre as pessoas retiradas há 100 feridos e doentes graves. População foi levada para zonas rurais da província de Alepo

O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) confirmou esta sexta-feira o fim da operação de retirada de civis e combatentes do leste da cidade síria de Alepo, de onde saíram 35.000 pessoas, segundo os seus registos.

A operação foi concluída esta noite e entre as pessoas retiradas há 100 feridos e doentes graves, segundo um comunicado do Comité Internacional da Cruz Vermelha.

Estas pessoas foram retiradas com a ajuda do Comité Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho Sírio (SARC) e levadas para zonas rurais da província de Alepo.

“A nossa prioridade, além de ajudar os mais vulneráveis, foi garantir que os civis saíam por sua livre vontade”, disse a diretora da delegação do Comité Internacional da Cruz Vermelha, Marianne Gasser.

“Há comunidades cujos bairros foram devastados pela violência e famílias que lutaram durante meses para encontrar segurança, alimentação, assistência médica e um refúgio adequado. Eles pareciam desesperados para sair, embora a situação fosse extremamente dolorosa e confusa”, acrescentou.

Devido às baixas temperaturas, as pessoas começaram a queimar tudo o que encontravam, incluindo mantas e roupas, para se aquecerem enquanto esperavam, acrescentou o comunicado.

O texto refere que a retirada, iniciada na quinta-feira, esteve bloqueada várias vezes devido às negociações entre as diferentes partes no terreno e que esteve ligada a uma operação similar nas localidades de Fua e Kefraya, na província vizinha de Idlib.

Um total de 1.200 pessoas destas localidades, a maioria mulheres, menores e idosos, foram retiradas “temporariamente” em direção a Alepo, indicou o Comité Internacional da Cruz Vermelha.

“Os civis que, como estes milhares de famílias de Alepo, Fua e Kefraya, decidiram sair devem poder voltar às suas casas quando quiserem”, considerou Gasser, já que, na sua opinião, muitos vão querer voltar um dia.

O Internacional da Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho Sírio não participam nas negociações entre as partes, mas foi-lhes solicitado que atuassem como intermediários “humanitários neutros” para implementar o acordo de retirada.