Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Estudo sugere que poderá ser melhor passar o Natal sem ir ao Facebook

Ana Baião

O afastamento temporário do Facebook será especialmente benéfico para aqueles que usam a rede social de uma forma passiva, sem interagirem com amigos, podendo a comparação com as fotos que eles colocam durante as datas festivas gerar “comparações sociais irrealistas”

Uma pausa na utilização do Facebook contribui em geral para o aumento do nível de bem-estar emocional e da satisfação com a vida, especialmente nos casos daqueles que “invejam os outros no Facebook”, dos “utilizadores passivos” (que tendem a permanecer apenas a espreitar os posts dos amigos sem chegarem a interagir com eles ou a fazerem as suas próprias publicações) e daqueles que fazem um “uso intensivo da rede social”, refere um estudo da Universidade de Copenhaga.

O estudo foi baseado na observação de 1095 pessoas, de 34 anos de idade, 86% dos quais mulheres, que foram divididas em dois grupos. As do primeiro mantiveram a sua utilização habitual da rede social, as do segundo grupo permaneceram ao longo de uma semana afastadas do Facebook.

“Os participantes que fizeram uma pausa de uma semana relataram níveis significativamente mais elevados de satisfação com a vida e melhoria da sua vida emocional”, lê-se nas conclusões do estudo divulgadas no “Cyberpsychology, Behavior, and Social Networking”.

Esse impacto é mais significativo nos casos daqueles que se encontram nas três categorias atrás descritas, o que levou os investigadores a considerarem que cada um deverá adaptar a sua utilização da rede social tendo em conta as suas caraterísticas pessoais. “Estas conclusões indicam que poderá não ser necessário deixar o Facebook de vez para melhorar o bem-estar. Em vez disso, um ajuste do comportamento de cada um no Facebook poderá potencialmente levar a uma mudança”, afirma o documento

“Para tornar as coisas claras, se alguém é um utilizador intensivo do Facebook, essa pessoa deve diminuir a utilização para melhorar o seu bem-estar. E se alguém tende a sentir inveja quando está no Facebook, essa pessoa deve evitar percorrer as secções – ou amigos específicos – que lhe causam inveja. E se alguém usa o Facebook de forma passiva, essa pessoa deve reduzir este tipo de comportamento”, acrescenta o estudo.

Os autores constataram também que, especialmente em datas festivas, ficar a visualizar as fotos “perfeitas” dos amigos pode gerar uma “deterioração do estado de espírito” com o surgimento de “comparações sociais irrealistas”.