Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Merkel: “Será muito difícil aceitar que foi um refugiado a fazer isto”

Sean Gallup / Getty Images

Na primeira declaração após a tragédia desta segunda-feira em Berlim, a chanceler alemã falou de uma “terrível ação” que vitimou 12 pessoas e que colocou várias outras a lutar contra a morte. “Este ato inqualificável será punido tão severamente quanto a lei permitir”, prometeu

A chanceler alemã condenou esta terça-feira o atentado que matou 12 pessoas e feriu outras 48 no mercado de Natal de Beitscheidplatz, em Berlim. “Há muito que ainda não sabemos com suficiente clareza, mas temos de assumir que foi um ataque terrorista”, declarou Angela Merkel em conferência de imprensa, sublinhando que se tratou de uma “terrível ação” que poderá causar mais vítimas, uma vez que vários dos feridos graves estão a lutar pela vida.

Sobre as informações que referem que terá sido um refugiado de origem paquistanesa, de 23 anos, que conduziu o camião que atropelou dezenas de pessoas no mercado de rua, Merkel disse que, a confirmar-se, isso será “repugnante”.

“Para nós, será particularmente difícil de suportar caso se confirme que este ato foi cometido por uma pessoa que pediu proteção e asilo à Alemanha”, acrescentou a governante, citada pela AP.

A chancelar aproveitou também para dirigir uma palavra de agradecimento aos serviços de emergência e a todos os profissionais que acudiram as vítimas e disse ainda ter “profunda confiança” na investigação que está em curso. “Este ato inqualificável será punido tão severamente quanto a lei permitir”, prometeu.

Apesar de reconhecer que é difícil, Merkel defende ser fundamental que as pessoas se esforcem para viver na Alemanha “em liberdade, tolerância e conjunto.”

Pouco antes da declaração de Merkel, o ministro do Interior alemão Thomas de Maizière já tinha confirmado que o que aconteceu em Berlim foi um ato terrorista. “Pouco importa o que possamos descobrir sobre as motivações do atacante, mas não devemos deixar que isso afete o nosso modo de vida em liberdade. Estamos profundamente tristes mas temos também que lutar pela nossa liberdade”, defendeu Thomas de Maizière.

O condutor do camião que abalroou a multidão num mercado de Natal urbano terá chegado à Alemanha em dezembro de 2015, tendo-se fixado em Berlim, onde pedira asilo, segundo o jornal “Bild”. O indivíduo foi detido e já está a ser ouvido pelas autoridades.

Entretanto, a polícia alemã realizou esta manhã buscas num dos principais centros de refugiados do antigo aeroporto de Tempelhof, em Berlim, após suspeitas de que o atacante poderia ter estado lá.