Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Governo de Assad suspende evacuação do leste de Alepo

GEORGE OURFALIAN/GETTY

Fonte do regime sírio acusa rebeldes de violarem condições do cessar-fogo que esta quinta-feira permitiu a retirada de três mil pessoas, incluindo feridos e crianças

A operação de retirada de civis e rebeldes do leste de Alepo foi suspensa esta sexta-feira de manhã. A informação foi avançada à AFP por uma fonte do governo de Bashar al-Assad, que acusou os opositores de violarem o acordo de cessar-fogo alcançado pela Rússia e pela Turquia para permitir a evacuação dos distritos orientais de Alepo sob controlo dos combatentes rebeldes desde 2012 e prestes a serem recapturados pelas forças leais a Assad — que incluem, para além do exército sírio, milícias xiitas iranianas e libanesas e a força aérea russa.

"A operação de evacuação foi suspensa porque as forças da oposição falharam, ao não respeitarem as condições do acordo", disse a fonte governamental à agência estatal francesa. Segundo estimativas da ONU, cerca de 50 mil pessoas ainda estão encurraladas no leste de Alepo, 40 mil delas civis, depois de, entre quinta-feira e esta madrugada três mil terem sido retiradas em autocarros do governo para a província de Idlib, no noroeste, sob controlo dos rebeldes.

O regime sírio acusou os rebeldes bloquearam a saída de civis de duas cidades que controlam, o que era uma contrapartida do acordo para a evacuação de leste de Alepo.

A televisão estatal síria indicou também que os rebeldes tentaram sair da cidade levando consigo detidos. Fonte militar indicou ainda que as estradas de evacuação foram bloqueadas por manifestantes que reivindicam que os rebeldes abandonem as cidades de Foua e Kefraya na província de Idlib.

Por seu turno, a Orient TV, ligada aos rebeldes, acusou as milícias leais ao regime sírio de terem aberto fogo contra as viaturas que efetuavam a evacuação, algo que foi também indicado à Reuters por um comandante dos rebeldes.

Um reporter da agência de notícias ouviu quatro explosões no local do ponto de partida dos autocarros.

Por seu turno, a Orient TV, ligada aos rebeldes, acusou as milícias leais ao regime sírio de terem aberto fogo contra as viaturas que efetuavam a evacuação, algo que foi também indicado à Reuters por um comandante dos rebeldes.

Um repórter da agência de notícias ouviu quatro explosões no local do ponto de partida dos autocarros.

Esta manhã, antes do anúncio de que a operação foi suspensa, a Cruz Vermelha Internacional tinha avançado à BBC que a evacuação estava a decorrer dentro dos conformes depois de não terem sido registadas violações da trégua durante a madrugada.

Para esta tarde está marcada uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU em Nova Iorque para discutir a situação em Alepo e formas de prolongar o cessar-fogo para fazer chegar à população daquela e de outras cidades ajuda humanitária urgente.

notícia atualizada às 11h14