Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Site do MPLA diz que Eduardo dos Santos não será candidato em 2017

STEPHANE DE SAKUTIN / AFP / Getty Images

Presidente angolano anunciou em março deste ano que se retira da vida política em 2018, e desde essa altura nunca mais abordou o tema publicamente

Uma informação publicada no site oficial do MPLA, sobre uma intervenção do primeiro secretário do partido em Benguela, também governador daquela província, refere que José Eduardo dos Santos não será candidato às eleições gerais de 2017 em Angola.

A nota de imprensa é sobre a intervenção, no passado sábado, a propósito das comemorações dos 60 anos do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) ao nível da província, dirigida na localidade de Baía Farta, Benguela, por Isaac Francisco Maria dos Anjos.

Publicada na primeira página do site oficial do partido que governa Angola desde 1975, a informação refere que durante o ato central daquelas comemorações em Benguela, o dirigente, que é também membro do Comité Central do partido, "considerou que, face ao surgimento de novos cabeças de lista, para as próximas eleições gerais de 2017, os militantes vão unir-se, cada vez mais, em torno dessa etapa transitória".

"A retirada do camarada José Eduardo dos Santos abre um ciclo de transição na liderança, que deve passar o testemunho sem deixar cair o facho", declarou Isaac dos Anjos, citado na nota do MPLA, que não adianta se durante a intervenção foi apontando o nome do general e ministro da Defesa, João Lourenço, como novo cabeça de lista do partido.

A reunião do comité central do MPLA, realizada a 2 de dezembro, em Luanda, indicou, segundo fontes do partido, o nome de João Lourenço, também vice-presidente do partido, para candidato a Presidente da República nas próximas eleições gerais. Contudo, o nome – e tão pouco a não recandidatura de José Eduardo dos Santos – não foi anunciado oficialmente até agora pelo partido.

A mesma proposta prevê a indicação de Bornito de Sousa, atual ministro da Administração do Território, para número dois da lista do partido, concorrendo assim à vice-Presidência da República.

No sistema eleitoral angolano, o cabeça de lista do partido mais votado em eleições gerais é eleito automaticamente Presidente da República.

No sábado, ao presidir às comemorações dos 60 anos do MPLA realizadas em Luanda, João Lourenço nada adiantou sobre o processo eleitoral, apesar de ter discursado durante cerca de uma hora e meia. "Precisamos de apanhar muito sol, precisamos de suar, de caminhar muito, de perder noites, de conversar muito com o povo, não apenas com os militantes, com o povo em geral, e se o fizermos tenho a certeza que o povo angolano mais uma vez vai reiterar a sua confiança no partido, porque efetivamente só com o MPLA o povo angolano conhecerá dias melhores", disse, numa intervenção anunciada igualmente para marcar o início da pré-campanha eleitoral.

José Eduardo dos Santos sucedeu ao primeiro Presidente angolano, António Agostinho Neto, em setembro de 1979, tendo anunciado em março deste ano que se retira da vida política em 2018.

Contudo, desde essa altura, nunca mais abordou o tema publicamente, tendo apenas traçado o objetivo, a 2 de dezembro, de o MPLA vencer as eleições gerais de 2017. "O nosso objetivo é ganhar as eleições com maioria qualificada ou no mínimo maioria absoluta e o segredo estará na disciplina, na união e coesão de todos em torno dos nossos candidatos, quer no processo da campanha eleitoral quer no momento da votação", afirmou o chefe de Estado e líder do MPLA.

  • Só lhe falta ser Presidente

    No dia em que arranca em Luanda a pré-campanha do MPLA para as eleições gerais de 2017, coincidindo com as comemorações do 60º aniversário da fundação do partido, o Expresso volta a publicar o perfil do vice-presidente João Lourenço, o homem apontado por José Eduardo dos Santos para lhe suceder na presidência de Angola

  • José Eduardo dos Santos abandona Presidência de Angola

    chefe de Estado angolano não será candidato do MPLA nas eleições do próximo ano. É certo que no passado Eduardo dos Santos já anunciou por mais de uma vez a intenção de não se recandidatar e depois voltou atrás nessa intenção, mas é a primeira vez que põe em documento escrito o nome do seu sucessor designado. Trata-se do atual ministro da Defesa, João Lourenço. O assunto deverá ser o principal tema da reunião do Comité Central do MPLA prevista para esta sexta-feira