Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump adia anúncio sobre futuro do seu império de negócios

Frazer Harrison/Getty Images

O Presidente eleito dos EUA prometeu abandonar a gestão dos seus negócios, mas só em janeiro se saberá em que termos o fará. Esta terça-feira, deverá ser anunciado o nome do secretário de Estado de Donald Trump

O Presidente eleito dos Estados Unidos adiou na madrugada desta terça-feira, hora portuguesa, o antecipado anúncio sobre os passos que vai dar para separar o seu império de negócios do seu cargo de liderança dos EUA.

Até ontem, os jornalistas estavam a contar com uma rara conferência de imprensa convocada para quinta-feira, na qual Donald Trump iria discutir como vai lidar com os conflitos de interesse apontados pelos media desde que derrotou Hillary Clinton nas eleições presidenciais de 8 de novembro. Em comunicado, o seu porta-voz disse que esse anúncio será feito apenas em janeiro.

“Com tantas propriedades icónicas e entidades de sucesso, adiar o anúncio para janeiro garante à sua equipa legal tempo suficiente para garantir que os protocolos apropriados são postos em marcha para que o seu único foco seja o país e alcançar a sua ambiciosa agenda com a ajuda de um gabinete de renome mundial que ele construiu”, disse Sean Spicer num email enviado à Associated Press e citado pela BBC.

O comunicado surgiu depois de, no mês passado, Trump ter voltado a recorrer ao Twitter para prometer que vai “deixar totalmente o meu grande negócio”, por ser “visualmente importante” que “não haja qualquer conflito de interesse” no seu governo.

A notícia surgiu a par de uma outra, dando conta de que Trump vai escolher para “alto conselheiro económico” o presidente do Goldman Sachs, Gary Cohn, que irá liderar o Conselho Económico Nacional da Casa Branca a partir de 20 de janeiro, após Trump e Mike Pence tomarem posse enquanto Presidente e vice-presidente dos EUA, respetivamente. Cohn terá um cargo de enorme influência no que toca às decisões económicas da Casa Branca. A par dele, a equipa de Trump já conta com outros dois ex-executivos do mesmo banco — Steven Mnuchin, nomeado para Secretário do Tesouro, e Steve Bannon, o supremacista branco que Trump escolheu para seu alto conselheiro na Casa Branca.

O anúncio sobre quem será o seu secretário de Estado, que vai chefiar a diplomacia norte-americana, deverá ser feito esta terça de manhã. Fontes citadas pelo “New York Times” dizem que a escolha recairá sobre Rex W. Tillerson, atual chefe executivo da petrolífera Exxon Mobile, que alegadamente mantém relações muito próximas com o Presidente da Rússia, Vladimir Putin.