Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trabalhadores da Amazon na Escócia dormem em tendas

Dan Kitwood/GETTY

Entre o que a empresa paga à hora e o que cobra pelo transporte diário, alguns dos seus funcionários terão concluído que o melhor era instalarem-se em tendas ao pé dos seus armazéns na Escócia, em pleno inverno e com temperaturas negativas

Pelo menos três tendas foram detetadas juntos às instalações da Amazon em Dunfermline, Fife, Escócia, pelo “The Courier” que falou com um dos seus ocupantes. Este, relutantemente, acabou por aceitar falar à publicação, sob anonimato, e descreve a gigante do comércio eletrónico como um “empregador miserável”.

O funcionário da Amazon explica que prefere ficar na tenda por ser mais barato do que ir todos os dias para casa, a cerca de 50 quilómetros de distância. Depois de ter falado à publicação britânica, a sua tenda desapareceu. Outras duas foram encontradas nas imediações, aparentemente abandonadas, com sacos cama, latas de cidra e lixo.

Os funcionários indicaram que têm de pagar cerca de 12 euros por dia para viajar nos autocarros da empresa. A porta-voz da Amazon refere que pagam aos seus trabalhadores temporários partir de 8,7 euros por cada hora de trabalho e 13 euros pelas horas extraordinárias.“Nós pagamos salários competitivos”, defendeu.

O diretor geral da Amazon, Paul Ashraf, insistiu também que a empresa se preocupa com os seus funcionários, manifestando a sua desilusão pela imagem negativa existente, reconhecendo que “o trabalho é duro nesta época do ano”, mas considerando que tendem a tornar-se notícias por serem uma marca global. “Nós sabemos que é muito intenso para eles, e é um mês de trabalho duro para toda a gente, mas nós temos que nos certificar que é seguro para eles e que eles se divertem durante o processo”, acrescentou.

“A Amazon precisa de olhar bem para si própria e mudar”, afirmou por seu turno Willie Rennie, líder do partido Liberal Democrata Escocês. “Eles pagam muito pouco em impostos e recebem milhões de libras do Governo do Partido Nacional Escocês (SNP), de modo que pelo menos eles deviam pagar um salário para uma vida decente”, acrescentou, também em declarações ao “The Courier”.

A Amazon tem 1500 funcionários numa base permanente nestas instalações na Escócia, mas contratou mais 4 mil trabalhadores temporários para o período natalício e do Ano Novo.

A notícia das tendas surge após no mês passado ter sido acusada de pagar pouco mais do que o salário mínimo por até cerca de 60 horas de trabalho semanais em más condições.

Durante a Black Friday, manifestantes acusaram a Amazon de ter uma política de “seis greves e estás fora” e de ter um sistema de penalizações para trabalhadores que cheguem com poucos minutos de atraso, que vão frequentemente à casa de banho ou caminhem lentamente com colegas dentro do armazém.