Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Reino Unido prestes a banir grupo neonazi por terrorismo

O grupo em causa é a Ação Nacional, que celebrou o assassínio da deputada trabalhista Jo Cox durante a campanha para o referendo sobre o Brexit

O Reino Unido deverá banir pela primeira vez um grupo de extrema-direita por ser considerado como uma organização terrorista. O grupo em causa é a Ação Nacional, que celebrou o assassínio da deputada trabalhista Jo Cox, durante a campanha para o Brexit.

A secretária de Estado britânica da Administração Interna, Amber Rudd, pretende que o grupo defensor da supremacia branca seja banido ao abrigo da Lei contra o Terrorismo 2000. O assunto será debatido no Parlamento esta quarta e quinta-feira, indo a votação na sexta-feira.

Rudd sustenta que a Ação Nacional é uma organização “racista, antissemita e homofóbica”, sem tem lugar na sociedade britânica. “Tenho claro que a segurança das nossas famílias, comunidades e o país vêm primeiro. (...) De modo que hoje avanço com uma medida para proibir o grupo neonazi Ação Nacional. Isso significará que ser um seu membro ou convidar alguém para apoiar esta organização será um crime”, afirmou.

O Ministério da Administração Interna indica que a decisão de propor que o grupo fosse banido foi anterior ao julgamento de Thomas Mair, o elemento de extrema-direita que foi condenado pelo assassínio da deputada trabalhista.

O debate na Câmara dos Comuns não pôde contudo avançar até ao desfecho deste caso, de modo a não afetar a decisão judicial.

A Ação Nacional tem levado a cabo manifestações em diversas cidades do Reino Unido com cartazes com inscrições como “Hitler tinha razão” e colocado posters em Liverpool e Newbury declarando-as como “zonas de brancos”.

“Morte aos traidores, liberdade para a Bretanha”, a única frase dita por Mair durante o julgamento, é apresentada no site do grupo.

Criado há três anos, calcula-se que o grupo tenha uma centena de membros.