Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Reino Unido defende acordos de transição para facilitar saída da União Europeia

WPA Pool

Ministro britânico das Finanças considerou que uma transição mais suave “envolveria menos riscos de perturbações, incluindo para a estabilidade financeira”

O ministro das Finanças britânico, Philip Hammond, defendeu esta segunda-feira a realização de acordos de transição para facilitar a saída do Reino Unido da União Europeia e evitar "perturbações", incluindo no sistema financeiro.

"Ter um período mais longo para gerir o ajustamento entre onde estamos agora, ou seja, um membro de pleno direito da União Europeia, e onde estaremos no futuro depois das negociações, seria de útil em geral", afirmou o ministro, durante uma audiência com o Comité do Tesouro do parlamento do Reino Unido.

Assim, referiu o governante, haveria uma "transição mais suave e envolveria menos riscos de perturbações, incluindo para a estabilidade financeira, que é uma preocupação real".

Segundo o ministro, em relação à estabilidade financeira há uma "visão emergente" partilhada por empresas, reguladores, alguns responsáveis políticos "esclarecidos", assim como de funcionários de "ambos os lados do canal".

A necessidade de um período de transição tem sido defendida por representantes do setor financeiro, que temes que a saída do Reino Unido da União Europeia ('Brexit') torne a sua atividade mais difícil, ao ser-lhes negado o acesso ilimitado ao mercado único.

Bruxelas já advertiu que aqueles acordos dificilmente serão concebidos, mesmo que o Governo britânico os tenha sugerido como úteis.

Depois de concluído o acordo de "divórcio", é "difícil de imaginar um período de transição", disse a semana passada Michel Barnier, o líder da equipa da Comissão Europeia que negoceia o 'Brexit'.
O Governo britânico, liderado por Theresa May, prometeu iniciar o divórcio com a União Europeia em março de 2017.