Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Paolo Gentiloni convidado a formar Governo em Itália

CLAUDIO PERI/EPA

O MNE italiano foi convidado para ser o sucessor de Matteo Renzi que abandonou a chefia do Governo depois de ter sido derrotado no referendo em que propunha uma reforma constitucional em Itália

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Itália, Paolo Gentiloni, foi convidado este domingo pelo Presidente italiano, Sergio Mattarella, a formar Governo, sucedendo a Matteo Renzi, anunciou a presidência italiana.

Mattarella “recebeu esta manhã, no Palácio de Quirinale, Paolo Gentiloni, ao qual conferiu o encargo de formar o novo Governo. Gentilone aceitou”, anunciou o secretário-geral da República italiana, Ugo Zampetti.

O novo Governo deverá organizar as próximas eleições, que devem ocorrer em fevereiro de 2018, anunciou a presidência.

Gentiloni, de 62 anos, é visto como um aliado próximo de Renzi, mas agora tem de montar a sua própria equipa e estratégia de governo, que devem ser submetidas a um voto de confiança do Parlamento, provavelmente na próxima quarta-feira.

O Presidente Mattarella havia prometido, no sábado, movimentar-se rapidamente para preencher o vazio criado pela saída de Renzi, dizendo que o país precisa urgentemente de uma nova administração para lidar com uma série de problemas.

O principal deles é uma crise iminente no setor bancário, além dos esforços de socorro em andamento após uma série de terramotos no país entre agosto e outubro.

Os italianos rejeitaram no passado domingo, com 59,95% dos votos, a reforma constitucional proposta pelo primeiro-ministro, Matteo Renzi, que se demitiu na quarta-feira, após a aprovação pelo Parlamento do orçamento do Estado para 2017.

Segundo Renzi, a reforma pretendia modernizar o país, reduzir os custos da política, agilizar o processo legislativo e facilitar a estabilidade.

  • “Ciao a tutti!!! E grazie” diz Renzi aos italianos

    Matteo Renzi demitiu-se e desta é para valer. O homem que no passado domingo sofreu uma derrota eleitoral diz que parte feliz: “Recebi milhares de emails e sms. Sou um homem de sorte, cercado por muitos afetos, e por pessoas que se preocupam. No que me toca, termino a tarefa com a aprovação do Orçamento de Estado para 2017”

  • Itália: Renzi adia demissão até aprovação do Orçamento de 2017

    Depois da vitória do “não” no referendo italiano com quase 60% dos votos, Renzi anunciou a sua demissão. Esta segunda-feira, encontrou-se com o Presidente da República para apresentar formalmente a sua decisão. No entanto, Mattarella pediu que adiasse a demissão até o OE de 2017 estar aprovado

  • Itália: nove respostas para explicar as consequências do referendo aos estrangeiros

    Para já, a única crise que a vitória do ‘Não’ provocou foi o anúncio da demissão do primeiro-ministro Matteo Renzi. Mas no “estrangeiro a perceção dos resultados é diferente” da que se viveu no país, diz ao Expresso o politólogo Goffredo Adinolfi: “Em Itália, este resultado não criou uma dicotomia entre democracia” de um lado, e “populismo e extrema-direita” de outro