Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Deputados sul-coreanos aprovam destituição da Presidente

Getty Images

Park Geun-hye, envolvida num escândalo político, será suspensa e imediato mas para ser afastada é necessário que uma maioria dos nove juízes do Tribunal Constitucional vote a favor da decisão parlamentar

O parlamento da Coreia do Sul votou esta sexta-feira a favor da destituição da Presidente Park Geun-hye por causa do escândalo de corrupção que, no último mês, mobilizou nas ruas dezenas de milhares de sul-coreanos exigindo a demissão da líder.

A Assembleia Nacional aprovou uma moção de desconfiança com 234 votos a favor contra 56, o que significa que alguns membros do partido da Presidente, o Saenuri, votaram contra ela. As responsabilidades de Park passam agora para o pelouro do primeiro-ministro, Hwang Kyo-ahn.

No centro da crise política está a relação de Park com uma amiga próxima e sua confidente, Choi Soon-sil, que é suspeita de ter usado as suas ligações próximas à Presidente para ganhar influência junto de grandes grupos industriais e obter assim benefícios financeiros.

Procuradores do Ministério Público sul-coreano dizem que Park parece ter desempenhado um papel "considerável" no alegado esquema de corrupção e tráfico de influências, uma acusação que a líder afastada continua a desmentir, embora tenha pedido repetidas desculpas nas últimas semanas pelo seu alegado envolvimento no escândalo.

O voto, concretizado quase três semanas depois de o principal partido da oposição, o Minjoo (Partido Democrático), ter pedido a destituição de Park, significa que a Presidente será suspenda de imediato. Para ser afastada, é necessário que uma maioria dos nove juízes do Tribunal Constitucional vote a favor da decisão parlamentar. A instância judicial tem agora seis meses para tomar uma decisão — se apoiar o afastamento de Park, será a primeira líder da era democrática sul-coreana a ser deposta do cargo.