Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Cuba (pouco) livre”

Se dúvidas houvesse sobre a existência de prisões arbitrárias e intimidatórias em Cuba, a detenção dos enviados do Expresso e da SIC, durante o funeral de Fidel Castro, na madrugada de domingo passado, tê-las-iam desfeito. A “operação” funeral de Fidel foi um momento crucial para o regime liderado por Raul Castro consolidar a Revolução, silenciar a oposição, reforçar a repressão e a vigilância

Excerto da reportagem em Cuba, que poderá ler na íntegra na edição semanal do Expresso deste sábado:

No domingo de manhã, as cinzas de Fidel iriam a ‘enterrar’ no cemitério de Santa Ifigénia, em cerimónia privada, reservada apenas a alguns convidados, incluindo alguns estrangeiros como Dilma Rousseff e Lula da Silva.

Ficara, por isso, combinado entre os enviados do Expresso e da SIC uma saída às 4 e meia da manhã, para poder registar o final da vigília que decorria na Praça da Revolução, em Santiago de Cuba, e o derradeiro cortejo em que povo cubano poderia participar ao fim de nove dias de luto.

Nunca lá chegaríamos, porém.

Minutos depois de sair da casa onde estávamos hospedados encontrámo-nos na insólita situação de detidos pela polícia cubana e obrigados a recorrer à diplomacia portuguesa.

Foi nesse momento que percebemos a importância do telefonema que o dono da casa recebera já depois da meia noite, e ao qual apenas respondera: “Três jornalistas portugueses, dois homens e uma mulher. Vão sair muito cedo”.