Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Merkel apresenta-se como garantia de estabilidade

Volker Hartmann/GETTY

No congresso da CDU, a chanceler alemã apostou num discurso mais crítico sobre a imigração para conquistar a ala conservadora do partido

Foi num tom mais duro que Angela Merkel discursou esta terça-feira na abertura do 29º Congresso do seu partido, a União Democrata-Cristã (CDU), em Essen. “Este ano não trouxe mais paz e estabilidade. Pelo contrário. Estamos diante de um mundo, sobretudo desde a eleição nos EUA, que se precisa de reorganizar, em relação à NATO e à Rússia”, declarou Merkel perante centenas de congressistas.

Se no passado a chanceler alemã defendeu a importância da liberdade religiosa, nomeadamente no que diz respeito ao uso da burca, Merkel manifestou agora uma posição oposta. “O véu integral, que cobre toda a cara, tem de ser proibido onde for legalmente possível”, declarou Merkel, sob os aplausos da plateia.

A posição de Merkel surge em linha com a que foi defendida há quatro meses pelo ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, que advogou a proibição parcial da burca no país, sublinha o “Independent”.

A chanceler alemã – que anunciou em novembro que se iria candidatar a um quarto mandato – pretendeu assim conquistar a ala mais conservadora da CDU, acabando por ser reeleita na terça-feira líder do partido com 89,5% dos votos. Apesar de o resultado ter ficado aquém do alcançado durante o congresso há dois anos (96,7%), Merkel continua a representar o apoio firme dos membros do partido.

"Nem todos podem ficar"

Depois de ter perdido popularidade nos últimos meses devido à sua posição quanto à crise dos refugiados, a governante quer afastar definitivamente a sombra do populismo e a emergência da extrema-direita no país. “Uma situação como a do verão de 2015 [com forte afluxo de refugiados] não pode jamais repetir-se. Nem todos os refugiados podem ficar”, acrescentou.

A chanceler não deixou também criticar duramente a incapacidade da comunidade internacional em minorar o sofrimento da população, classificando a situação de “uma vergonha”. Insistindo na importância da estabilidade da zona euro, Merkel reiterou o papel do Pacto de Estabilidade e Crescimento para evitar novas crises na zona da moeda única.

Sobre o combate às alterações climáticas, a líder da CDU disse esperar que os EUA se mantenham comprometidos com a causa, adiantando que já teve oportunidade de conversar ao telefone com Donald Trump, que manifestou a intenção de prosseguir com essa luta. “Claro, que irei insistir que acredito que as alterações climáticas são causadas pelo homem. Nós queremos discutir como vamos desenvolver esse trabalho”, concluiu.

Assumindo-se como defensora dos valores democráticos da Alemanha e da Europa, Merkel apresentou no primeiro dia do Congresso os principais pontos do seu programa eleitoral. Intitulado “Orientação para Tempos Difíceis”, o documento prevê que não haverá aumento de impostos, assim como uma reforma do sistema de pensões e incentivos às PME, entre outras medidas.