Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Israel tenta legalizar colonatos

JIM HOLLANDER/GETTY

Projeto-lei que prevê a legalização de cerca de quatro mil casas de colonatos terá que ser discutido mais três vezes no Parlamento israelita

Os deputados israelitas aprovaram esta segunda-feira de forma preliminar um projeto-lei que legaliza centenas de habitações de de colonatos judeus em Jerusalém Oriental. O projeto-lei, que contou com 60 votos a favor e 49 contra, será discutido mais três vezes no Parlamento antes da votação final.

Durante o debate parlamentar, o principal líder da oposição, Isaac Herzog, teceu duras críticas ao projeto-lei, falando mesmo num “suicídio nacional”, refere o “Guardian”.

Ainda antes de ser aprovado, o documento está ser alvo de várias críticas internacionais, incluindo dos EUA, depois de o ministro da Educação de Israel, Naftali Bennett, ter afirmado que a medida poderia corresponder ao início da anexação da maior parte da Cisjordânia por Israel.

Alguns analistas consideram também que o projeto-lei afasta uma solução entre os dois Estados para pôr fim ao longo conflito israelo-palestiniano.

Também o enviado das Nações Unidas para o processo de paz no Médio Oriente, Nickolay Mladenov, manifestou-se preocupado com a medida, sublinhando que visa proteger colonatos ilegalmente construídos em propriedade privada palestiniana na Cisjordânia. “É uma iniciativa muito preocupante. Apelo aos legisladores israelitas a reconsiderarem tal passo que terá consequências legais de grande alcance em toda a Cisjordânia ocupada”, afirmou Nickolay Mladenov.

Caso o projeto-lei receba luz verde no Parlamento, estima-se que cerca de 4 mil casas de colonatos sejam aprovadas pelo governo de Israel.