Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Reativada conta de Twitter de menina síria mas o seu paradeiro é incerto

Bana tinha desaparecido da rede social no domingo depois de um forte bombardeamento pelas tropas sírias sobre a zona leste de Aleppo, controlada pelos rebeldes, onde habita com a sua mãe e com os seus dois irmãos

Bana Alabed, uma menina de sete anos, captou a atenção do mundo com a sua conta na rede social Twitter, na qual era frequente relatar o seu dia-a-dia na zona leste de Aleppo, que é controlada pelos rebeldes. No passado domingo, a sua conta desapareceu durante uma ofensiva militar das tropas sírias. Até que, esta segunda-feira, a mãe da menina, Fatemah, voltou a ativar a conta e fez uma publicação na qual dava novidades sobre a situação de ambas.

“Sob ataque. Não temos para onde ir e cada minuto parece a morte. Rezem por nós. Adeus”, foi a publicação feita por Fatemah na conta da pequena Bana. No entanto, a BBC escreve que segundo uma fonte sua, mãe e filha encontram-se “numa localização secreta”.

No domingo, Fatemah havia publicado: “temos a certeza que o exército nos vai capturar agora. Vemo-nos noutro dia, querido mundo. Adeus”, antes da conta de Bana ter sido desativada.

Em inglês e com a ajuda da sua mãe, a menina de sete anos descreve a guerra em Aleppo e como é a sua vida, numa conta que tem mais de 206 mil seguidores. Bana publica fotos e vídeos dos bombardeamentos e é frequente escrever mensagens a pedir ajuda.

No mês passado, a menina publicou várias fotos das ruínas da sua casa. “Hoje à noite não temos casa, foi bombardeada e eu fiquei nos escombros. Eu vi mortes e quase morri”, escreve a menina que descreve a sua situação como estando entre a “vida e a morte”. “Estou muito triste mas contente por estar viva”, confessa Bana.

Em conversa com a BBC em outubro, Fatemah explicou que a sua filha pretende “que o mundo ouça as suas vozes” através daquela conta.

Fatemah é professora e para além de Bana tem ainda mais dois filhos – Mohamed tem cinco anos e Noor tem três.

Também a autora da saga Harry Potter, JK Rowling, está solidária com Bana. Depois de uma publicação em que a pequena referia que gostava de ler “para esquecer a guerra”, JK Rowling enviou-lhe os livros todos da colecção. Quando a conta da menina foi desactivada, a escritora republicou várias mensagens que indagavam sobre o paradeiro de Bana.

  • A criança de sete anos que relata a tragédia em Alepo. “Ainda estou viva”

    “Olá. Sou a Bana, uma menina de sete anos em Alepo. Eu e a minha mãe queremos contar-vos mais sobre os bombardeamentos. Obrigada.” Vive com os irmãos mais novos e o jardim da casa transformou-se num monte de ruínas. Quer ler e desenhar em sossego. E questiona-se: “Porque é que o mundo não nos ouve?”. A Síria está em guerra civil - só na semana passada, segundo a UNICEF, 96 crianças morreram e 233 ficaram feridas devido aos bombardeamentos em Alepo