Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Um fundo internacional para proteger o património

STRINGER / Reuters

Uma conferência internacional reunindo representantes de quatro dezenas de Estados e de instituições privadas aprovou este sábado a criação de um fundo financeiro e de uma rede de refúgios para proteger o património em período de conflito.

Uma conferência internacional reunindo representantes de quatro dezenas de Estados e de instituições privadas aprovou hoje a criação de um fundo financeiro e de uma rede de refúgios para proteger o património em período de conflito.

Os dois compromissos fazem parte da "Declaração de Abu Dhabi", aprovada por consenso na presença do Presidente francês, François Hollande, do homem forte dos Emirados Árabes Unidos, Mohammed ben Zayed Al-Nahyane, e da diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova.

A decorrer desde sexta-feira, a conferência foi convocada na sequência da série de destruições realizadas nos últimos anos por 'jihadistas' no Iraque, na Síria, no Mali e no Afeganistão.
"Comprometemo-nos com dois objetivos ambiciosos para garantir a mobilização da comunidade internacional a favor da salvaguarda do património", afirma a Declaração de Abu Dhabi.

Por um lado, "a constituição de um fundo internacional para a proteção do património cultural em perigo em período de conflito armado" visando "financiar ações preventivas ou de emergência, lutar contra o tráfico de bens culturais, assim como participar na restauração de bens culturais danificados".

Por outro, "a criação de uma rede internacional de refúgios para salvaguardar de modo temporário os bens culturais em risco devido aos conflitos armados ou o terrorismo, no seu território, (...) num país limítrofe ou, em último recurso, num outro país, de acordo com as leis internacionais a pedido dos governos envolvidos".

Hollande confirmou que a sede do fundo financeiro será em Genebra e que o objetivo é reunir pelo menos 100 milhões de dólares, 30 dos quais disponibilizados pela França.Outros Estados, como as monarquias do Golfo e a China, declararam-se dispostos a um esforço financeiro, mas sem precisar o montante a doar.

A conferência de Abu Dhabi solicitou o apoio do Conselho de Segurança das Nações Unidas para a realização dos seus projetos. Um responsável francês sugeriu uma resolução da ONU para garantir normas de proteção do património.

Uma "conferência de acompanhamento", que será organizada em 2017, permitirá avaliar a aplicação das iniciativas lançadas em Abu Dhabi e os primeiros projetos financiados pelo fundo internacional, adianta a declaração.

A conferência de Abu Dhabi é um "encontro que marcará a História" na luta contra "o fanatismo".