Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Senhora, Lamia 933 está em falha total, sem combustível”: o áudio do diálogo entre piloto e a torre

Fernando Bizerra Jr.

Áudio que contém o diálogo entre o piloto do avião do Chapecoense e a torre de controlo foi divulgado esta quarta-feira. No alerta de emergência, o piloto solicitou “uma aproximação imediata”, mas o aparelho desapareceria depois do radar

Antes de o avião cair, o piloto do aparelho que transportava a Chapecoense alertou a torre de controlo do aeroporto de Medellín, numa comunicação em que precisou que a aeronave estava com “uma falha elétrica total” e “sem combustível”.

A informação tinha sido veiculada na terça-feira, sabendo-se que o aparelho desapareceu posteriormente do radar, mas o diálogo exato entre o comandante Miguel Quiroga e a controladora aérea foi esta quarta-feira dado a conhecer através de um audio partilhado pela radio Blu, com a gravação dos últimos minutos do voo da companhia boliviana LaMia.

Com pouco mais de 11 minutos, no áudio podem seguir-se as comunicações entre o avião LaMia CP-2933 - que caiu minutos depois - e outras duas aeronaves que também sobrevoavam a área e se preparavam para aterrar.

Cerca do minuto quatro, o piloto menciona um problema de combustível e solicita aproximação. Durante o diálogo, a assistente mantém sempre um tom de voz calmo e vai dando indicações. É pouco depois do minuto nove que o piloto se declara em emergência, com o aparelho em “falha total”.

Da torre de controlo surge a resposta: “Pista livre e à espera de chuva sobre a superficie, Lamia 933. Bombeiros alertados”. Miguel Quiroga grita então: ”Vetores, senhorita, vetores”. Em seguida, a torre de controlo diz ter perdido o sinal do avião no radar - “não o tenho” -, e um pouco depois ouve-se a resposta do piloto: “Estamos no rumo 3-6-0, rumo 3-6-0”.

Já na parte final da gravação, ouve-se a certa altura uma outra voz na torre dizendo simplesmente “não responde”. Percebe-se o pior depois de a assistente informar: “Você está a 8,2 milhas da pista”. Insiste: “Que altitude tem agora? E de novo: “933 LaMia?”. Não há mais nenhuma resposta.

Ximena Suárez, elemento da tripulação que sobreviveu ao acidente em que 71 pessoas morreram, relatou às equipas de resgate que o avião “se apagou por completo” e registou “uma forte descida”, antes de sofrer “um grande impacto”, conta o “El País”.

As autoridades aeronáuticas colombianas já começaram, entretanto, a analisar as duas caixas negras do avião.

  • A certeza errónea de que nada é mais natural do que um dia seguir-se a outro

    A morte aconteceu-lhes a 30 quilómetros do destino, na Colômbia: 75 morreram, seis sobreviveram (na verdade foram sete, mas um não resistiu aos ferimentos depois de resgatado). Foram 75 tragédias e seis milagres naquele avião que caiu. Quase todo o Chapecoense, equipa de cidade influenciada por índios e italianos e exemplo de rara organização no futebol brasileiro, desapareceu ali. Minutos antes, os jogadores publicaram um vídeo: alguém faz uma “selfie”, a maioria sorri. Estão todos tranquilos. É aquela certeza errónea que todos temos de que nada é mais natural do que um dia seguir-se a outro

  • Desolador

    Avião que transportava a delegação do clube de futebol Chapecoense caiu com Medellín à vista, após uma viagem em clima de festa. A maior parte dos corpos já foram resgatados e as autoridades colombianas confirmam terem recuperado também as duas caixas negras do aparelho. Só a sua análise permitirá explicar a causa do acidente