Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Martin Schulz deixa Parlamento Europeu para preparar legislativas na Alemanha

EMMANUEL DUNAND/GETTY

Schulz garantiu que irá continuar a lutar pelo projeto europeu a nível nacional, defendendo que a Alemanha tem “especial responsabilidade” no sucesso da UE

Quatro dias depois de a chanceler alemã ter apresentado a candidatura pela União Democrata-Cristã (CDU) à liderança da Alemanha, Martin Schulz anunciou esta quinta-feira, em Bruxelas, que vai abandonar a presidência do Parlamento Europeu para se dedicar à política alemã.

“Não vou candidatar-me a um terceiro mandato como Presidente do Parlamento Europeu (PE). No próximo ano, irei candidatar-me ao Bundestag como cabeça de lista do Partido Social-Democrata (SPD) na Renânia do Norte-Vestfália”, declarou o presidente do Parlamento Europeu numa conferência de imprensa, sem direito a perguntas dos jornalistas.

Admitindo que não foi uma “decisão fácil”, Schulz explicou que procurou desde 2012, enquanto líder do PE, tornar mais forte a política europeia e aumentar a influência do Parlamento Europeu.

No futuro, Schulz garantiu que irá continuar a lutar com empenho pelo projeto europeu a nível nacional, sustentando que o mundo necessita de uma União Europeia “mais forte e confiante” para defender os valores comuns perante os novos desafios. E insistiu que a Alemanha mantém o compromisso firme com Bruxelas, tendo o país uma “especial responsabilidade” no sucesso do bloco europeu.

Desconhece-se ainda a função que Schulz irá desempenhar na política alemã. Segundo os media germânicos, o líder do SPD convidou o presidente do Parlamento Europeu para ser ministro dos Negócios Estrangeiros, substituindo Frank-Walter Steinmeir, que será o próximo Presidente alemão. Mas Schulz poderá também competir diretamente com Angela Merkel nas eleições legislativas marcadas para setembro do próximo ano.

O SPD terá que decidir em janeiro qual será o seu candidato. De acordo com o EuObserver, o autarca de Hamburgo, Olaf Scholz, também é uma possível escolha do partido.

Recorde-se que Martin Schulz tem sido um forte crítico das políticas de Angela Merkel, alertando também para os riscos da ascensão da extrema-direita na Europa e do populismo nos EUA, com a vitória de Donald Trump. O líder do Parlamento Europeu pediu “responsabilidade, contenção e liderança” ao Presidente eleito dos EUA.