Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Hospital britânico deixou prematuro morrer sozinho em incubadora

O bebé nasceu de 22 semanas e seis dias mas sobreviveu apenas durante duas horas. O hospital não arranjou um espaço onde pudesse ter estado acompanhado pela mãe durante esse período

O caso de um bebé prematuro cuja equipa médica deixou morrer sozinho numa incubadora é uma das graves situações de erros e negligências ocorridos nas unidades de maternidade do Manchester General Hospital e do Royal Oldham Hospital.

As situações ocorridas nos dois hospitais públicos britânicos foram finalmente tornadas públicas em sequência de uma investigação do “Manchester Evening News”.

O bebé prematuro nascera de 22 semanas e seis dias, abaixo daquele que é considerado o tempo mínimo para poder sobreviver, mas ainda se manteve vivo durante duas horas. Os funcionários do hospital não conseguiram contudo arranjar um “espaço calmo” para que a mãe o pudesse ter acompanhado nesse período.

Numa outra situação, uma mãe morreu de “hemorragia catastrófica” após a equipa médica ter assumido que ela tinha perturbações mentais, ignorando os sintomas de hipoxia, estado causado pela falta de oxigénio.

Entre as situações reportadas, surge ainda a morte de um bebé por não ter sido identificado que a mãe possuía um tipo de sangue raro.