Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

May quer “acordo de transição” com UE que salvaguarde interesses britânicos

STEFAN WERMUTH/REUTERS

A primeira-ministra britânica garante que vai negociar com Bruxelas um acordo “que beneficie o Reino Unido e a União Europeia”. Theresa May sublinha que o Brexit dá ao Reino Unido a oportunidade de se tornar “líder mundial do comércio livre”

A primeira-ministra britânica Theresa May procurou esta segunda-feira tranquilizar os empresários do Reino Unido, garantindo que o Governo vai procurar um acordo de transição com a União Europeia (UE) de modo a acautelar os interesses do país em virtude do Brexit.

May quer evitar o “precipício” que as empresas temem e isso mesmo disse em Londres, durante a conferência anual da Confederação da Indústria Britânica (CBI). Garantiu que vai negociar com Bruxelas um acordo “que beneficie o Reino Unido e a UE”, tendo sublinhado que a saída britânica do bloco europeu dá ao Reino Unido a oportunidade de se tornar “líder mundial do comércio livre”.

Para Theresa May, o resultado do referendo de 23 de junho foi uma chamada de atenção para o facto de “o capitalismo e a globalização não estarem a funcionar para todo o mundo”.

Aos empresários deixou um alerta, defendendo que o sector deve “adaptar-se e reformar-se” para garantir a distribuição da prosperidade. “Precisamos de uma nova perspetiva, que permita a todos beneficiar do crescimento económico”, declarou Theresa May.

Outra das intenções da primeira-ministra em relação às negociações com Bruxelas é a conclusão de um “um acordo rápido” sobre o estatuto dos imigrantes comunitários no Reino Unido e dos britânicos que vivem na Europa continental, o que responde à preocupação do sector empresarial quanto à possível escassez de mão de obra qualificada.

  • Governo britânico desmente falta de estratégia para o Brexit

    O desmentido surge em sequência da divulgação de um relatório em que um consultor do Governo britânico refere que podem ser precisos ainda mais seis meses para os ministros chegarem a acordo e que o trabalho adicional poderá requerer 30 mil funcionários suplementares