Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Campo de refugiados grego alvo de ataque

EUROKINISSI via REUTERS

Mais de uma centena de pessoas perderam o seu abrigo no campo Souda, devido a duas noites consecutivas de ataques. Dezenas de refugiados, incluindo mulheres e crianças pequenas, vão passar a noite desta sexta-feira ao relento porque têm medo de regressar ao campo

Pedras e “cocktails molotov” foram atirados contra o campo de refugiados Souda, na ilha grega de Quios. Na sequência do ataque, que ocorreu na noite de quinta-feira, 150 pessoas tiveram de fugir e várias tendas foram destruídas, incluindo uma que alojava 50 pessoas, referiu o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), citado pela BBC.

Em declarações à estação televisiva Al Jazeera, a polícia confirmou estar a investigar se o incêndio que se gerou no campo foi devido ao lançamento de "cocktails molotov" por cima do muro.

De acordo com Roland Schönbauer, porta-voz do ACNUR na Grécia, agora as “pessoas estão assustadas e é difícil convencê-las a voltar para o campo”, preferindo passar a noite ao relento.

Desta maneira, situação continua tensa em Souda porque o ACNUR ainda não substituiu as tendas danificadas. “Nem todos os migrantes vão ter um local para passar esta noite devido à atual insegurança no campo”, revela o porta-voz. “Cerca de 100 pessoas perderam o local que tinham para dormir nos dois incidentes e por isso terão novas tendas”, cobertores, sacos-cama, e outros items, garantiu Schönbauer.

O ACNUR também se ofereceu para ajudar as autoridades de Quios na procura de novos locais para alojar os refugiados, como hotéis, apartamentos ou edifícios públicos. O porta-voz mencionou ainda que os requerentes de asilo estão a ser ajudados pela organização a serem transferidos para a ilha principal da Grécia, sendo-lhes fornecidos bilhetes de ferry para que possam efetuar a deslocação. Alguns conseguiram já a transferência.

Esta foi já a segunda noite de violência neste campo, que aloja cerca de quatro mil refugiados. Na quarta-feira, também ocorreram vários incidentes: segundo a polícia, citada pela Al Jazeera, vários refugiados entraram numa loja de fogo-de-artifício, roubarama alegadamente alguns foguetes e rebentaram-nos no campo, perto de casas vizinhas.

A polícia de intervenção foi chamada ao local e deteve 37 refugiados. Quatro chegaram mesmo a ser presos, três adolescentes argelinos e um homem iraniano, segundo dados da polícia. Em declarações à Al Jazeera, voluntários do campo referiram que os refugiados lançaram os foguetes depois de serem atacados no campo por grandes pedras arremessadas por alegados indivíduos de extrema-direita.

De acordo com alguns relatórios, escreve a BBC, militantes gregos de extrema-direita poderão estar envolvidos neste ataque. Roland Schönbauer disse em declarações à emissora britânica que na sexta passada que alguém atirou uma pedra por cima do muro do campo, tendo ferido gravemente um refugiado sírio ao acertar-lhe na cabeça. Posteriormente, o indivíduo foi levado para o hospital, onde ainda permanece.

O campo de refugiados Souda é gerido pelo Governo grego e está lotado. Aproximadamente 60% dos seus moradores são sírios, 20%o são iraquianos, 10% são norte-africanos e 10% são de outras nacionalidades.

No total, mais de 16 mil requerentes de asilo ainda vivem em campos de refugiados nas ilhas gregas.