Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Viagem privada de comissário europeu gera controvérsia

STEPHANIE LECOCQ / EPA

Para chegar a tempo de uma reunião com o primeiro-ministro húngaro, o comissário europeu alemão aceitou uma viagem de avião fornecida por um lobista alemão com relações próximas com o Presidente russo Vladimir Putin

O comissário europeu para a Economia Digital e Sociedade, Günther Oettinger, está a ser alvo de críticas por ter viajado para a Hungria num avião privado de Klaus Mangold, um lobista alemão ligado ao governo russo, escreve a BBC esta quarta-feira.

A viagem polémica ocorreu no passado dia 18 de maio. Oettinger deslocava-se à Hungria para uma conferência em Budapeste sobre o futuro da indústria automóvel. O comissário referiu que apenas aceitou a boleia para conseguir chegar a tempo de uma reunião que tinha agendada com o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban.

No entanto, várias críticas dão conta de que o comissário quebrou as regras da União Europeia (UE) que proíbe a aceitação de presentes de valor superior a 150 euros. Uma das regras da UE dita também que o contacto com lobistas tem de ser declarado.

Na sua página de Twitter, o comissário europeu referiu que as alegações eram “infundadas” e que tinha sido o governo húngaro a sugerir o voo. Por seu lado, Daniel Freund, funcionário dos escritórios de Bruxelas, citado pela BBC, assegurou que “todos os comissários têm acesso a voos de classe executiva e a uma frota de jatos, por isso não é claro porque é que Oettinger aceitou o convite”.

A líder do partido dos Verdes no Parlamento Europeu, Rebecca Harms, garantiu que é uma situação “alarmante um comissário da UE deixar que um lobista ligado ao Kremlin providencie o seu voo pela Europa e considere que isso seja totalmente normal”.

Oettinger vinha já sendo alvo de críticas por ter usado um termo ofensivo contra a população chinesa num discurso, situação pela qual já pediu desculpa.