Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Obama reitera compromisso dos EUA em relação à NATO

AFP/GETTY

Em Atenas, o Presidente norte-americano reafirmou que os EUA se vão manter comprometidos com a NATO e que pretende assegurar uma “transição política suave”. Ao lado de Tsipras, Obama apelou ainda ao alívio da dívida helénica

No primeiro dia de uma visita à Grécia, Barack Obama reuniu-se com o seu homólogo grego Prokopis Pavlopoulos e o primeiro-ministro helénico Alexis Tsipras, garantindo que os EUA continuarão comprometidos com a NATO e os seus aliados.

“A Aliança Atlântica é a pedra angular da segurança mútua e algo que tem continuidade mesmo quando há uma transição de governo nos EUA. Reconhecemos que a NATO é absolutamente vital”, afirmou o Presidente norte-americano numa conferência de imprensa em Atenas.

Obama reiterou que o seu sucessor manifestou estar empenhado na NATO e na manutenção das principais relações estratégicas com os seus parceiros, depois de Trump ter chegado a defender durante a campanha que os Estados Unidos deviam reduzir o apoio aos seus aliados. “A Grécia tem ultrapassado tempos difíceis. Se a Grécia consegue ir ao encontro do seu compromisso com a NATO, todos os membros da Aliança Atlântica também poderão fazê-lo”, acrescentou.

O Presidente norte-americano reafirmou ainda que a sua administração está pronta para contribuir para uma “transição política suave”. “Não me sinto responsável por aquilo que presidente-eleito diz ou faz, mas sinto responsabilidade como Presidente dos EUA de assegurar que contribuo para uma boa transição, apresentando a Trump e ao povo norte-americano os meus melhores pensamentos e ideias sobre a forma como se deve conduzir o país no futuro”, sustentou.

Sobre o resultado eleitoral, o Presidente norte-americano reconheceu que muitos eleitores procuraram a mudança, advertindo para os riscos das divisões no país. “Em tempos de stress significativo, as pessoas têm tendência para procurar algo que possa constituir uma opção, mesmo que não estejam inteiramente confiantes da mudança que isso trará. (...) Mas não aproveitaremos o nosso potencial enquanto país, se impedirmos os negros, latinos, asiáticos, gays ou mulheres de participarem plenamente no projeto de construção da vida americana.”

Ao lado de Tsipras, Obama elogiou ainda os sacrifícios feitos pela Grécia para ultrapassar a crise, apelando ao alívio da dívida helénica. “Na minha mensagem ao resto da Europa vou continuar a insistir na nossa visão de que a austeridade só por si não pode trazer prosperidade”, alertou.

Na agenda da visita à Grécia está prevista uma passagem pela Acrópole, onde Obama irá discursar. Depois seguirá para Berlim, onde será recebido na quinta-feira pela chanceler alemã.

O périplo terminará no Peru para o Presidente dos EUA participar numa cimeira do Fórum de Cooperação Económica Ásia-Pacífico.