Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ajuda alimentar para refugiados estará a ser desviada na Nigéria

STRINGER/GETTY IMAGES

Em vez de ser entregue a crianças com fome, os produtos aparecem à venda nos mercados

Luís M. Faria

Jornalista

A Nigéria é conhecida pela extensão e variedade da corrupção lá existente, mas noticias agora publicadas sugerem que se desceu a um novo patamar. Ao que parece, está a ser roubada ajuda alimentar destinada a refugiados, especialmente aqueles que a luta contra os radicais islâmicos do grupo Boko Haram forçou a abandonarem as suas casas e fugir.

Só no estado de Borno, onde o Boko Haram surgiu, dez mil crianças estarão em risco de morrer por carências alimentares. E em Adamawa, o presidente do comité para os refugiados da assembleia estadual diz que bens destinados a essas pessoas estarão a ser desviados e vendidos nos mercados. Um coordenador do programa antipobreza nega, mas grupos que trabalham com refugiados exigem uma investigação.

Em agosto, onze camiões distribuíram arroz, esparguete e óleo em Adamawa, mas boa parte dessa ajuda não terá chegado aos seus alegados destinatários, o que deu origem a protestos públicos. O sistema estabelecido canaliza parte da comida através de políticos e outros funcionários, que é suposto servirem de intermediários – o que nem sempre terá acontecido.

“Roubar comida destinada a crianças com fome é abaixo de tudo”, diz o presidente do comité para os refugiados em Adamawa. Só nesse estado viverão uns 19 mil refugiados (chegou a haver 60 mil, mas a maioria já terá regressado a casa). Ao todo, mais de dois milhões e meio de pessoas foram desalojadas pela rebelião do Boko Haram ao longo dos últimos sete anos, tanto na Nigéria como no Niger, no Chade e nos Camarões.