Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Nova Zelândia deverá continuar com réplicas do sismo durante meses

GETTY

O sismo inicial teve uma amplitude de 7,5 – maior do que a registada no episódio devastador de 2011 – mas o facto de ter ocorrido durante a noite e numa área menos povoada terá contribuído para que apenas se tenham registado duas mortes

Centenas de réplicas, uma das quais com magnitude de 6,3, continuaram a abalar a Nova Zelândia. após o sismo inicial de 7,5 ocorrido à 00h02 desta segunda-feira (12h02 de domingo em Lisboa), que causou dois mortos. Foi lançado um alerta de tsunami, que entretanto já foi suspenso.

A GeoNet, instituição estatal que monitoriza a atividade sísmica, indica que na realidade o sismo inicial foram dois abalos relacionados, acrescentando que as réplicas devem continuar a sentir-se durante os próximos meses.

O sismo atingiu fortemente a cidade costeira turística de Kaikoura, na ilha de South Island, trazendo à memória o sismo ocorrido em 2011, que devastou a cidade de Christchurch, situada a 150 quilómetros de distância, e causou 185 mortos.

Apesar deste sismo ter tido uma magnitude superior ao de 2011 (que teve uma amplitude de 6,3) o número de vítimas foi muito inferior, para o que terá contribuído o facto de ter ocorrido durante a noite e numa zona rural com menor densidade populacional, segundo refere o especialista Ken Elwood, da Universidade de Auckland. “Quando acontece a meio do dia é uma história muito diferente”, afirmou à TVNZ.

O deslizamento de terras destruiu estradas e causou danos em outras infraestruturas, dificultando o acesso às zonas mais atingidas, que ficaram sem energia elétrica e telecomunicações.

O estado de emergência foi declarado na região de Kaikoura. “A nossa prioridade imediata é fornecer água potável, comida e outros bens essenciais aos residentes de Kaikoura e aos mil turistas que se estima estarem na cidade”, afirmou o ministro da Defesa, Gerry Brownklwee.

As autoridades passaram a noite e o dia a darem apoio e a evacuarem edifícios e residências das áreas costeiras.

Apesar do alerta do alerta de tsunami já ter sido suspenso, continuam a ser dadas indicações para que as pessoas se afastem das zonas costeiras.

A Nova Zelândia fica situada numa área de alta atividade sísmica, denominada como “Arco do Fogo”, um arco de vulcões e de fendas oceânicas ao longo de 40 mil quilómetros no Pacífico. Cerca de 90% dos sismos que ocorrem em todo o mundo têm lugar nesta área.