Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Primeiros contactos de Trump foram com a extrema-direita britânica e francesa

getty

O presidente eleito reuniu com o líder do partido britânico UKIP, Nigel Farage, e o ex-diretor-executivo da campanha e possível futuro chefe de gabinete da Casa Branca, Stephen Bannon, enviou um convite à líder da Frente Nacional (FN) francesa, Marine Le Pen, para "trabalharem em conjunto"

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, já iniciou contactos com outros líderes mundiais e começou pelo político de extrema-direita e líder do partido britânico UKIP, Nigel Farage, com quem esteve reunido este sábado em Nova Iorque, e ainda pela líder da Frente Nacional (FN) francesa, Marine Le Pen.

Sobre a reunião, a ex-chefe de campanha do republicano Kellyanne Conway informou que "foi muito produtiva". "Creio que foi um encontro muito bom, no qual tiveram a oportunidade de falar de liberdade e vencer, e do que isso significa para o resto do mundo", disse Conway à imprensa na Trump Tower, em Manhattan.

Farage, polémico político eurocético e contrário à imigração, foi um dos vencedores no referendo de 23 de junho sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit). O político britânico mantém uma estreita relação com Trump, tendo participado num evento da campanha para as eleições presidenciais norte-americanas.

De acordo com os órgãos de informação britânicos, Trump pretende desenvolver uma estreita relação bilateral com a primeira-ministra britânica, Theresa May, muito parecida com a que mantiveram o antigo Presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan (1981-1989) e a antiga chefe do governo britânico Margaret Thatcher (1979-1990), na década de 1980.

Em relação a França, o milionário norte-americano pretende reforçar os laços com Marine Le Pen, que esta semana considerou os resultados eleitorais norte-americanos uma "vitória da liberdade".

A sobrinha de Marine, Marion Maréchal-Le Pen, anunciou este sábado na rede social Twitter que a FN (extrema-direita) tinha aceite um convite do ex-diretor-executivo da campanha de Trump, Stephen Bannon, para "trabalharem em conjunto"

Bannon integra a equipa para a transferência de poderes entre Trump e a administração do Presidente norte-americano, Barack Obama.

É um dos nomes referidos para ocupar o lugar de chefe de gabinete da Casa Branca, cargo que equivale a primeiro-ministro na Europa.

Para este cargo é também referido o nome do presidente da Comissão Nacional Republicana (RNC, sigla em inglês), Rience Priebus, o principal aliado de Trump durante a campanha para as primárias republicanas.