Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Detidos 56 indivíduos em Espanha por pornografia infantil

A polícia espanhola diz que as detenções ocorreram no âmbito da mais importante operação dos últimos tempos contra a pedofilia. “A Internet veio favorecer a criação de uma comunidade pedófila que se apoia entre si e, inclusivamente, acredita e apoia a ideia de que a pedofilia é uma opção sexual”, afirmou um porta-voz da polícia

Na sequência de uma operação de combate à pornografia infantil em toda a Espanha, foram detidos 56 indivíduos pela polícia nacional, devido à distribuição de imagens e vídeos através da Internet que revelam abusos sexuais “de extrema gravidade” a menores, alguns dos quais muitos jovens, incluindo bebés, escreve esta quinta-feira o jornal espanhol “El Mundo”.

De acordo com a polícia, os homens têm entre 40 e 60 anos e alguns já tinham sido detidos anteriormente por crimes semelhantes. Os supostos agressores têm todos residência em Espanha. A maioria está desempregada ou são pessoas que por algum motivo passam muito tempo em casa, uma particularidade “constante” neste tipo de agressores, explicou Ignacio Cosidó, diretor geral da polícia nacional espanhola, na manhã desta quinta-feira durante uma conferência de imprensa.

A operação em questão trata-se de uma das mais importantes investigações nos últimos tempos, no que diz respeito à distribuição de material pedófilo, tanto pelo número de detidos, como pelo volume de arquivos pornográficos, escreve o jornal espanhol. A operação envolveu a intervenção de mais de 150 agentes e 46 tribunais por toda a Espanha, durante um ano e meio. A polícia ainda se encontra a investigar mais três indivíduos, mas não procedeu à sua detenção.

Os indivíduos utilizavam uma plataforma online "Peer to Peer" para partilhar ficheiros. Os agentes apreenderam numerosos computadores, mais de 173 discos rígidos e 614 CD e DVD com muitos gigas de fotografias e vídeos ilícitos.

“A Internet veio favorecer a criação de uma comunidade pedófila que se apoia entre si e, inclusivamente, acredita e apoia a ideia de que a pedofilia é uma opção sexual que agora está a ser perseguida como a homossexualidade também foi no passado”, referiu o porta-voz da polícia.