Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Senado e Câmara dos Representantes ficam nas mãos dos republicanos

Spencer Platt/Getty Images

Pat Toomey foi reeleito senador do estado da Pensilvânia, garantindo que o Senado fica nas mãos do Partido Republicano

Helena Bento

Jornalista

Pat Toomey foi reeleito senador do estado da Pensilvânia, garantindo que o Senado fica nas mãos do Partido Republicano (falta apenas confirmar a muito expectável vitória dos republicanos no Louisiana e Alasca).

Também a Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso norte-americano) ficará sob controlo dos republicanos.

Nas eleições a decorrer não é só a Presidência dos Estados Unidos que está em causa. Todos os 435 lugares que compõem a Câmara dos Representantes foram a votos, assim como 34 das 100 cadeiras do Senado (câmara alta do Congresso, onde tinham 54 lugares). No total, são 469 cargos legislativos.

Caso seja Hillary Clinton a vencedora da noite - o que, à medida que o tempo passa parece cada vez mais impossível - a democrata irá ter de coexistir na Câmara dos Representantes com os seus adversários políticos, à semelhança do que aconteceu com Barack Obama. Antes destas eleições, os republicanos ocupavam 246 lugares contra 186 democratas.

  • “Para os nova-iorquinos isto não é o país deles”

    Nova Iorque votou em Hillary Clinton, mas o país está no fio da navalha. A cidade que vive da sua pluralidade cultural está em choque: isto é tão bom por aqui, porque será que o país não quer reproduzir o modelo?, questiona-se, ao telefone com o Expresso, a designer portuguesa Ana Paula Simões, que há um ano escolheu Nova Iorque para viver - não se arrepende da decisão, mas admite que as coisas possam ficar mais difíceis para quem precisa de vistos

  • Kentucky. “De um lado agricultores, do outro ex-mineiros: o que é que se esperava?”

    Charles Harron cresceu no Kentucky, na cidade de Lexington, tem 43 anos e é advogado na área da saúde. “Basicamente defendo os médicos e as enfermeiras que se metem em apuros por atender gente sem seguro de saúde”, diz Harron ao Expresso a partir de casa, onde está com a família a acompanhar a contagem dos votos. A luta deles não é pelo estado, “mais que perdido” para os republicanos, mas sim pelo país

  • Se houver empate no Colégio Eleitoral, poderão ser dois democratas a dar a vitória a Trump

    Dois membros do colégio pelo estado de Washington dizem que não vão dar o seu voto a Hillary Clinton mesmo que a maioria da população que representam vote como votou nas últimas sete eleições presidenciais, a favor do Partido Democrata. Se a ex-secretária de Estado ficar empatada com o rival republicano no Colégio, um cenário para já improvável mas não impossível, poderão ser eles a abrir as portas da Casa Branca ao populista

  • “Conhece a metáfora da caixa de Pandora? Trump abriu-a”

    Chamam-lhes romances, mas nem todas as personagens que habitam as páginas escritas por Richard Zimler são fruto (apenas) da sua imaginação. A Lisboa de Richard Zimler é real, o verde rural do Colorado é real, Goa colonial é a realidade possível de reconstruir. E Donald Trump também não é uma personagem de ficção, até porque a sua ascensão tem uma raiz bem visível e bem profunda: as falhas no sistema de educação norte-americano, diz Zimler em entrevista ao Expresso, à margem do evento organizado pela embaixada dos Estados Unidos em Lisboa para assinalar as eleições norte-americanas