Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Começa a haver a sensação de que Trump pode ganhar”

Hillary Clinton venceu no estado da Virginia

PAUL J. RICHARDS/GETTY IMAGES

Estudante de doutoramento na área das Ciências Biomédicas, na Universidade de Virginia, Pedro Pinheiro, que está a acompanhar as eleições na sua casa com amigos norte-americanos, diz que “a apreensão é muito grande”

Helena Bento

Jornalista

“Falta apurar o número de votos em vários centros urbanos e estados, mas a apreensão é muito grande, porque aquilo que era a tradição em muitos sítios deixou de o ser”, diz Pedro Pinheiro, estudante de doutoramento na área das Ciências Biomédicas, na Universidade de Virginia, no estado com o mesmo nome.

“Começa a haver a sensação de que Trump pode ganhar”, diz o jovem português, que está em sua casa a acompanhar as eleições com uns amigos norte-americanos. Pois pode. O candidato republicano está à frente com 232 votos contra os 216 Hillary Clinton, segundo as projeções do “Guardian” e do “Politico”.

Hillary Clinton venceu no estado de Virginia, “swing state” oscilante, onde tanto têm vencido os democratas como os republicanos. “Trump venceu nas áreas rurais e Hillary Clinton nos centros urbanos de Virginia”. Michigan e New Hampshire “podem ser mesmo a última esperança”, considera Pedro.

  • “Para os nova-iorquinos isto não é o país deles”

    Nova Iorque votou em Hillary Clinton, mas o país está no fio da navalha. A cidade que vive da sua pluralidade cultural está em choque: isto é tão bom por aqui, porque será que o país não quer reproduzir o modelo?, questiona-se, ao telefone com o Expresso, a designer portuguesa Ana Paula Simões, que há um ano escolheu Nova Iorque para viver - não se arrepende da decisão, mas admite que as coisas possam ficar mais difíceis para quem precisa de vistos

  • Kentucky. “De um lado agricultores, do outro ex-mineiros: o que é que se esperava?”

    Charles Harron cresceu no Kentucky, na cidade de Lexington, tem 43 anos e é advogado na área da saúde. “Basicamente defendo os médicos e as enfermeiras que se metem em apuros por atender gente sem seguro de saúde”, diz Harron ao Expresso a partir de casa, onde está com a família a acompanhar a contagem dos votos. A luta deles não é pelo estado, “mais que perdido” para os republicanos, mas sim pelo país

  • “Conhece a metáfora da caixa de Pandora? Trump abriu-a”

    Chamam-lhes romances, mas nem todas as personagens que habitam as páginas escritas por Richard Zimler são fruto (apenas) da sua imaginação. A Lisboa de Richard Zimler é real, o verde rural do Colorado é real, Goa colonial é a realidade possível de reconstruir. E Donald Trump também não é uma personagem de ficção, até porque a sua ascensão tem uma raiz bem visível e bem profunda: as falhas no sistema de educação norte-americano, diz Zimler em entrevista ao Expresso, à margem do evento organizado pela embaixada dos Estados Unidos em Lisboa para assinalar as eleições norte-americanas

  • Se houver empate no Colégio Eleitoral, poderão ser dois democratas a dar a vitória a Trump

    Dois membros do colégio pelo estado de Washington dizem que não vão dar o seu voto a Hillary Clinton mesmo que a maioria da população que representam vote como votou nas últimas sete eleições presidenciais, a favor do Partido Democrata. Se a ex-secretária de Estado ficar empatada com o rival republicano no Colégio, um cenário para já improvável mas não impossível, poderão ser eles a abrir as portas da Casa Branca ao populista

  • A “maioria silenciosa” mais importante pode não ser a dos desiludidos que apoiam Trump

    Resultados da votação antecipada, que terminou na segunda-feira, mostram que a participação eleitoral da comunidade hispânica bateu recordes. Se a tendência se tiver mantido ao longo desta terça-feira eleitoral, a provável vitória de Hillary Clinton vai dever muito aos latinos que se rebelaram contra o homem que os pôs a todos no saco de "traficantes e violadores"