Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Muro irá isolar albergue de refugiados menores na Alemanha

O muro terá quatro metros de altura e resulta da pressão dos habitantes locais. Dizem que não é motivado por xenofobia, mas apenas para os proteger do ruído

Ainda não há moradores no albergue de refugiados em Perlach, a sul da cidade alemã de Munique. No entanto, já se encontra em construção um muro que terá quatro metros de altura. Os moradores locais, conforme escreve o jornal alemão “Süddeutsche Zeitung” esta segunda-feira, garantem que não é um ato de xenofobia, que o muro servirá apenas como “proteção de ruído”.

A proposta para construção do muro foi apresentada pela presidente do município Christine Strobl, em sequência do pedido de moradores, acabando por ser aprovado pelo Tribunal Administrativo de Munique, escreve o jornal alemão "Merkur".

A decisão tem gerado várias críticas. Em declarações à agência de notícias alemã DPA esta segunda-feira, o deputado distrital Guido Bucholtz afirmou que o muro é uma “loucura absoluta” e questionou “como é que se podia estar a construir uma parede de separação entre os moradores e os refugiados sob o argumento falacioso de isolamento acústico”. O deputado acrescenta ainda que “isto é um sinal de que se vão matar refugiados porque a sua presença é indesejada”.

O debate em relação à construção do muro surgiu porque Guido Bucholtz enviou um vídeo da construção para os jornais locais, com o objetivo de chamar a atenção para a temática da discriminação dos migrantes. “Fiquei assustado quando vi esta parede monstruosa. Quando falávamos em integração de refugiados, eu imaginei algo diferente. Isto faz-me sentir mal”, revela o deputado.

O albergue de refugiados em questão espera receber 160 jovens menores não acompanhados, segundo o “Süddeutsche Zeitung”. A construção do muro que separará estes jovens do resto da população está prevista para a primavera de 2017.

Os habitantes locais temem também que o valor comercial das suas casas diminua devido à proximidade do centro de refugiados, escreve o jornal britânico “The Independent”.