Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Donald Trump já votou. Filho pisou o risco

Donald e Melania Trump votam pela sua mudança para a Casa Branca

© Carlo Allegri / Reuters

O magnata votou em Manhattan, perto de onde vive em Nova Iorque. Foi vaiado à chegada, mas afirmou que “está tudo muito bem”

Margarida Mota

Jornalista

À semelhança de Hillary Clinton, Donald Trump escolheu votar de manhã. O candidato republicano à Casa Branca votou numa escola pública situada perto de sua casa, em Manhattan, Nova Iorque.

Acompanhado pela mulher, a modelo eslovena Melania Trump, foi vaiado à chegada, reportou a CNN. “Está tudo muito bem”, afirmou o empresário quando questionado pelos jornalistas sobre que tipo de informações estaria a receber da sua campanha.

Antes da chegada de Trump, a rua junto à Trump Tower foi encerrada para evitar a repetição de situações como a verificada esta terça-feira de manhã, quando duas mulheres se despiram na secção de voto onde Trump era esperado, ficando em topless.

Também o candidato republicano a vice-presidente, Mike Pence, já depositou o voto. Antes, o governador do estado de Indiana descomprimiu, dando um passeio de bicicleta com a mulher.

No momento do voto, outro Trump foi notícia por razões diferentes. Eric, o filho do meio do magnata, não escondeu a sua excitação, tirou uma foto do boletim e postou-a nas redes sociais. “É uma honra incrível votar no meu pai! Ele fará um grande trabalho para os EUA!”, escreveu.

Seria apenas uma curiosidade, não fosse o episódio ter acontecido em Nova Iorque, onde publicar fotos dos boletins de voto é ilegal. Avisado da ilegalidade, Eric apagou o “post”.

Esta questão ganhou visibilidade há umas semanas quando o cantor Justin Timberlake publicou uma “selfie” no Instagram do momento em que votava por antecipação em Memphis, Tennessee, onde nasceu e está registado. Tinha a melhor das intenções — apelar ao voto junto dos jovens —, mas violou a lei.

Desde janeiro que, naquele estado, é proibido usar o telefone “para conversar, gravar ou tirar fotografias ou fazer vídeos dentro de assembleias de voto”.