Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Chineses compram Miss América e noite da passagem de ano em Nova Iorque

Michael Loccisano/Getty

O Wanda Group, que detém 20% do Atlético de Madrid, comprou a Dick Clark Productions, empresa que produz os concursos Miss América, a cerimónia dos Globos de Ouro e ainda a festa da passagem de ano em Times Square, em Nova Iorque. Em 2012, já tinha adquirido a AMC Theatres e a Legendary Entertaiment, também nos EUA

Ana Baptista

Ana Baptista

Jornalista

O Wanda Group, a empresa de Wang Jianlin, o homem mais rico da China, e uma das maiores e mais importantes no país e cada vez mais em todo o mundo, comprou a norte-americana Dick Clark Productions, empresa produtora dos Globos de Ouro, dos concursos Miss América e ainda da festa da passagem de ano na Times Square, em Nova Iorque.

O negócio foi fechado por mil milhões de dólares (pouco mais de 900 milhões de euros), mas é o mais pequeno que o grupo chinês fez nos EUA, na área do cinema e televisão, nos últimos cinco anos. Em 2012, comprou a AMC Theatres, uma das maiores proprietárias de salas de cinema do país por 2500 milhões de dólares (2200 milhões de euros ao câmbio atual) e em janeiro deste ano gastou mais 3500 milhões de dólares (3100 milhões de euros) a comprar a Legendary Entertainment, uma produtora de cinema que, em parceria com a Warner, foi responsável pelos filmes mais recentes da saga "Batman" ou ainda a trilogia da "Ressaca".

Com esta nova aquisição, o Wanda Group reforça ainda mais a sua presença na indústria do entertenimento nos EUA, o que tem vindo a levantar algumas questões no país, com receio de que limite a liberdade criativa ou que estes meios sejam usados para divulgar propaganda chinesa, noticia a Associated Press. Aliás, um grupo de legisladores terá mesmo pedido ao governo norte-americano para rever todas estas aquisições por parte do Wanda Group e ainda de outras empresas chinesas em Hollywood.

De 2000 a 2015, o investimento direto da China na indústria do entertenimento dos EUA ascendeu a 4000 milhões de dólares (3699 milhões de euros), de acordo com o Rhodium Group, citado pela Associated Press. Mas logo em janeiro de 2016, com a compra da Legendary pelo Wanda Group pelos já referidos 3500 milhões de euros, esse montante quase duplicou.

Apesar dos receios de algumas autoridades norte-americanas, tal como nas aquisições anteriores o Wanda Group fez questão de garantir, em comunicado, que iria manter a gestão da empresa tal como estava e que queria crescer e até estabelecer parcerias e sinergias com as outras empresas que comprou, não só de cinema e televisão mas também de turismo e desporto.

É que o Wanda Group não está focado apenas em salas de cinema e produtoras de filmes e de televisão. Na China, esse é agora um dos seus principais negócios, mas tudo começou no imobiliário, nomeadamente centros comerciais e escritórios. Mas quando o imobiliário começou a perder força no país, o Wanda Group decidiu diversificar e escolheu o resto do mundo para o fazer. Comprou a maior proprietária de salas de cinema da Austrália (Hoyts), comprou hotéis, a Sunseeker International, a fabricante britânica de iates de luxo (os que são usados nos filmes do James Bond) e investiu muito em desporto.

Em janeiro de 2015, comprou 20% do Atlético de Madrid e no mês seguinte adquiriu a Infront Sports & Media, uma distribuidora de direitos televisivos de alguns dos maiores eventos desportivos do mundo e que detém, entre outros, os direitos de transmissão de todos os eventos da FIFA entre 2015 e 2022, incluindo os Campeonatos do Mundo de futebol de 2018 e 2022.

Não é por isso de admirar que o "Financial Times" tenha considerado o Wanda Group como uma das empresas chinesas mais agressivas na sua estratégia de internacionanalização.