Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mila Kunis diz que ameaçaram acabar com a sua carreira por se recusar a posar seminua

GETTY

“Nós comprometemos a nossa integridade em nome da manutenção do status quo na esperança de que a mudança esteja a chegar”, afirma a atriz de “Cisne Negro” numa carta aberta em que denuncia a discriminação e pressões que as mulheres continuam a sofrer em Hollywood

Mila Kunis – atriz ucraniana de 33 anos, que surgiu como a bailarina que faz de Cisne Negro no filme homónimo de 2010 – denuncia, numa carta aberta, a ameaça que lhe foi feita por um produtor de Hollywood, caso se recusasse a posar seminua para uma revista masculina no âmbito da promoção de um filme.

“Tu nunca voltarás a trabalhar nesta cidade...”. Kunis diz que, apesar de parecer um cliché, foi a frase que ouviu da boca do produtor, cujo nome não revela.

“Fiquei lívida, senti-me transformada num objeto, e pela primeira vez na minha carreira eu disse ‘não’. E adivinhem o que aconteceu? O mundo não acabou. O filme fez imenso dinheiro e eu voltei a trabalhar nesta cidade outra vez, e outra vez, e outra vez”.

Na carta aberta publicada em “A Plus”, site cofundado pelo seu marido Ashton Kutcher, a atriz diz que o seu caso é um exemplo gritante das discriminações de que as mulheres continuam a ser alvo nos seus locais de trabalho. “Ao longo da minha carreira, tem havido momentos em que fui insultada, colocada de lado, em que fui pior paga, criativamente ignorada e menosprezada de outras formas devido ao meu género”, relata.

“Nós comprometemos a nossa integridade em nome da manutenção do status quo na esperança de que a mudança esteja a chegar. Mas a mudança não está a vir suficientemente depressa para ajudar as minhas amigas, as minhas colegas, ou mesmo os nossos filhos”, acrescenta, referindo um estudo que prevê que demorará 136 anos até que as diferenças salariais entre homens e mulheres desapareçam.

A atriz refere ainda um outro caso, ocorrido após ter formado uma produtora com outras três mulheres, em que durante uma discussão de um possível projeto de trabalho um “influente produtor” lhe disse que em breve iria ser “mulher de Ashton e mamã de bebé”.

“Ele reduziu o meu valor a não mais do que a minha relação com um homem bem-sucedido e à minha capacidade para gerar filhos”, recorda.