Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Estados Unidos passam a aceitar militares com tatuagens

GETTY

As regras de recrutamento vão ser revistas no sentido de evitar que os militares sejam escolhidos entre um grupo de pessoas demasiado restrito

As forças militares norte-americanas vão rever as regras de recrutamento para enquadrarem as mudanças sociais no país, admitindo aceitar pais solteiros, pessoas com excesso de peso e até quem tenha consumido canábis, adiantou na terça-feira o Pentágono.

Embora não haja falta de candidatos a usar uma farda militar, o chefe do Pentágono (Ministério da Defesa norte-americano), Ashton Carter, está preocupado que os militares sejam escolhidos entre um grupo demasiado restrito de possíveis recrutas, ou que pessoas qualificadas sejam rejeitadas por questões triviais, adiantou a AFP.

Carter, num discurso proferido no City College of New York, deu como exemplos a aptidão física atual dos candidatos, tatuagens que tenham feito quando eram mais jovens, serem pais solteiros, ou terem consumido substâncias ilícitas como canábis.

O chefe do Pentágono ordenou que fossem revistos e atualizados quaisquer critérios “desnecessariamente restritivos”.

Alguns serviços já começaram a aligeirar as regras: em abril, a Marinha norte-americana passou a permitir que os seus militares tenham tatuagens nos braços, mãos e parte do pescoço.

De acordo com uma sondagem, quase metade dos americanos nascidos nos anos 1980 e 1990 têm pelo menos uma tatuagem.