Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Presidente ucraniano é dono de mais de 100 empresas

GENYA SAVILOV/GETTY

Petro Poroshenko garante que adquiriu todas as companhias antes de assumir o cargo de chefe de Estado em 2014

Na entrega da declaração de rendimentos de 2015, Petro Poroshenko afirmou ser proprietário de mais de uma centena de empresas na Ucrânia e no estrangeiro, segundo foi divulgado esta segunda-feira no site da Agência Nacional para a Prevenção da Corrupção. O Presidente ucraniano garante, contudo, que todas as companhias foram adquiridas antes de assumir o cargo de chefe de Estado e que a sua situação fiscal está regularizada, negando ainda que alguma empresa tenha usufruído de benefícios pelo seu novo estatuto.

“Tal como fiz na minha declaração, quero sublinhar que todos os meus bens e propriedades (casas, terras, carros, pinturas e joias) foram adquiridos antes de assumir a Presidência”, escreveu Poroshenko na sua página do Facebook.

As empresas do Presidente ucraniano estão localizadas na Ucrânia, Rússia Espanha, Chipre, Holanda, Lituânia, Polónia, Hungria, Rússia e Ilhas Virgens, refere o “Ukraine Today”

No documento, o Presidente ucraniano declara ser proprietário de duas vivendas, dois apartamentos, quatro terrenos e carros Mercedes, BMW e Range Rover. Entre outros bens – partilhados com a sua mulher Maryna Poroshenko – referiu ter várias joias, além de uma coleção de pinturas de artistas ucranianos e russos do séc. XIX e XX e outra de pintura e escultura contemporâneas.

A entrega da declaração de rendimentos de Poroshenko foi feita dentro do prazo previsto. A Agência Nacional para a Prevenção da Corrupção exigiu que os governantes ucranianos apresentassem as suas declarações até ao final de outubro.

Já o primeiro-ministro ucraniano Volodymyr Groysman declarou mais de um milhão de dólares em rendimentos no ano passado. Quando assumiu o cargo a 14 de abril deste ano, o governante também prometeu “intolerância à corrupção.”

O lançamento das declarações de rendimentos online constitui uma das exigências do Fundo Monetário Internacional para continuar a apoiar o programa económico da Ucrânia. Estava previsto o sistema entrar em funcionamento a 15 de agosto, mas acabou por derrapar para 1 de setembro.

Durante a campanha eleitoral, Poroshenko insistiu sempre que a luta contra a corrupção era uma das prioridades da sua legislatura. O dono dos chocolates Roshen foi eleito no dia 25 de maio de 2014 após a deposição de Viktor Ianukovich, em fevereiro.