Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Nasce em Paris um novo grande campo “selvagem” de refugiados

Com o demantelamento da selva de Calais muitos refugiados estão a deslocar-se para Paris

FRANCOIS NASCIMBENI/GETTY

Ocupam três zonas do bairro número 19 da capital (norte da cidade). Já lá estavam perto de mil desde há alguns meses, mas o número de migrantes passou, em apenas três dias, para cerca de três mil, segundo militantes humanitários. Muitos destes novos refugiados serão fugitivos da “selva” de Calais

O amontoado desorganizado de tendas ocupa três grandes zonas do norte da cidade de Paris, designadamente junto à estação do metropolitano Stalingrad e mais dois quarteirões do mesmo bairro 19.

Heloise Mary, militante humanitária, evoca uma situação completamente “insalubre e selvagem” nestes novos acampamentos parisienses que, segundo ela, pode provocar problemas graves se não forem encontradas urgentemente soluções para os albergar, designadamente em ginásios ou estruturas idênticas.

A Câmara de Paris, que tinha prometido criar até ao fim deste mês, um centro de acolhimento para as centenas de migrantes que já se encontravam na capital desde há alguns meses, não tem por agora solução para acolher a nova e massiva vaga de migrantes que chegou à cidade em apenas três dias.

Segundo diversas fontes, muitos destes últimos refugiados serão fugitivos da “selva” de Calais, cujo desmantelamento continua em curso depois de grande parte do imenso bairro da lata ter sido destruído em menos de 24 horas por gigantescos incêndios.

O Governo informou que transferiu em três dias mais de cinco mil refugiados para centenas de centros de acolhimento espalhados por todo o hexágono francês.

As próprias autoridades reconheciam que cerca de sete mil estrangeiros viviam na “selva”. Pelo seu lado, as contas das associações humanitárias apontavam para números muito superiores: cerca de dez mil. Fontes, em Calais, dizem que centenas de migrantes também se terão escondido na região para tentarem chegar a todo o custo a Inglaterra.

Entretanto, no que resta da "selva" desta cidade portuária do norte da França,, ainda se encontram algumas centenas de migrantes adultos, que as autoridades tentam convencer a aceitarem serem transferidos para outras regiões.

Por outro lado, cerca de 1500 menores estão a receber tratamento especial em centros provisórios em Calais e muitos deles poderão viajar para Inglaterra se conseguirem provar ter familiares a residir neste país.