Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Madrid anuncia que frota naval russa anulou escala em Ceuta

O porta-aviões russo Almirante Kuznetsov integrava a frota russa que devia escalar em Ceuta para reabastecer

DOVER MARINA.COM / EPA

Espanha estava sob pressão da NATO para recusar a possibilidade de a frota russa, que se dirige para a Síria, se reabastecer no porto de Ceuta

A Rússia anulou a escala em Ceuta, o enclave espanhol em Marrocos, de uma força aeronaval que se dirige para a Síria, anunciou esta quarta-feira o Ministério dos Negócios Estrangeiros espanhol. "A embaixada da Federação da Rússia em Madrid acaba de nos comunicar que retira o pedido de autorização de escala para esses navios, escala que assim fica anulada", refere o comunicado da diplomacia espanhola.

Espanha estava sob pressão da NATO para recusar a possibilidade de a frota russa se reabastecer no porto de Ceuta, ação prevista para a pr+oxima sexta-feira, após ter permitido essa autorização em setembro. Madrid referiu ter solicitado previamente "esclarecimentos" a Moscovo sobre uma eventual participação da força naval em "ações belicistas dirigidas contra a cidade síria de Alepo".

"O Governo de Espanha acompanha com extraordinária preocupação os bombardeamentos de Alepo e a atual tragédia humana", acrescenta o ministério espanhol.

Questionado sobre o assunto, o secretário-geral da NATO Jens Stoltenberg afirmou que "é opção de cada nação aliada decidir" se fornece combustível e reabastece navios russos. "A Rússia tem o direito de operar em águas internacionais. A diferença desta vez é que temos preocupações de que essa frota possa ser usada para mais ataques em Alepo e na Síria", declarou em Bruxelas, à margem da cimeira de ministros da Defesa da NATO.

A força naval russa integra nove navios, incluindo o porta-aviões Almirante Kuznetsov.

  • Espanha criticada por autorizar Rússia a reabastecer navios de guerra em Ceuta

    Aliados dizem que é “totalmente inapropriado” que um membro da NATO permita que Moscovo use um dos seus portos para reabastecer navios que “vai usar para bombardear civis” na Síria. Jornal “El País” avança que Madrid está a rever autorização concedida à frota de oito navios liderada pelo porta-aviões Almirante Kuznetsov