Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Atentado contra escola da polícia faz pelo menos 58 mortos no Paquistão

BANARAS KHAN / GETTY IMAGES

Quetta, capital da província do Baluquistão, na fronteira com o Afeganistão, tem sido palco de uma série de ataques, na sua maioria executados pelo grupo Lashkar-e-Jhangvi

Pelo menos 58 cadetes e guardas da polícia paquistanesa foram mortos num atentado contra uma escola da polícia na cidade de Quetta, capital da província do Baluquistão. Três bombistas suicidas entraram na escola ao final de segunda-feira, fazendo alguns reféns, segundo jornalistas locais.

A operação de segurança iniciada pelas autoridades paquistanesas para travar o ataque durou várias horas e todos os suspeitos foram mortos. Centenas de aspirantes a integrar a polícia tiveram de ser retirados da escola à chegada das tropas ao local. Os media falam em pelo menos três explosões durante a operação militar.

“Vi três homens com roupa camuflada, com as caras escondidas e kalashnikovs”, relatou um cadete à AFP. “Eles começaram a disparar e entraram no dormitório mas eu consegui saltar o muro e fugir.”

O atentado não foi ainda reivindicado por qualquer grupo, sendo semelhante a vários ataques que têm sido executados por separatistas e militantes islamitas nos últimos anos em Quetta, entre eles um no início de agosto contra um hospital que provocou 42 mortos.

A academia da polícia de Quetta alberga centenas de estudantes e muitos dos cadetes que morreram no assalto perderam a vida nas explosões, diz o major general Sher Afghan. A sequência dos eventos continua por apurar, embora os media locais, caso do jornal “Dawn”, tenham noticiado uma troca de tiros entre os militantes e as forças de segurança durante várias horas. Mais de 100 pessoas, sobretudo alunos, ficaram feridos.

As autoridades já responsabilizaram o grupo Lashkar-e-Jhangvi pelo atentado e garantem que os responsáveis pelo ataque “estavam a comunicar com outros militantes no Afeganistão”.

Horas antes do ataque, dois funcionários da alfândega foram abatidos a tiro e um outro ficou em estado grave num ataque a Surab, a sul de Quetta. O exército paquistanês tem conduzido operações militares contra grupos rebeldes em áreas tribais voláteis na fronteira com o Afeganistão numa tentativa, para já infrutífera, de travar o elevado número de ataques na província do Baluquistão.