Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Donald Trump e Hillary Clinton. Último ‘round’ marcado para esta noite

  • 333

TIMOTHY A. CLARY/GETTY

Os candidatos enfrentam-ne num último debate, em Las Vegas. Clinton parte em vantagem, de acordo com as últimas sondagens

O último ‘round’ antes das eleições de 8 de novembro junta Hillary Clinton e Donald Trump, esta quarta-feira à noite (madrugada de quinta em Portugal), na Universidade de Nevada, em Las Vegas. O debate final, que encerra o ciclo de três encontros televisivos entre os dois candidatos à Casa Branca, é marcado pela partida de Hillary em vantagem nesta corrida, pelos menos de acordo com as últimas sondagens.

Chris Wallace, 'pivot' do canal Fox News, vai moderar o frente-a-frente de 90 minutos, onde se esperam ouvir discutidos alguns dos temas quentes da campanha: imigração, Supremo Tribunal, benefícios sociais e dívida nacional, economia, política externa e as aptidões de cada candidato para assumir o cargo de Presidente.

Ainda assim, o facto de os dois debates anteriores terem tópicos pré-determinados, não impediu que as intervenções dos candidatos resvalassem para o campo das acusações pessoais.

Clinton e Trump chegam a Las Vegas num momento em que o republicano insiste em denunciar a existência de manipulação e fraude nas presidenciais, enquanto a democrata e ex-secretária de Estado terá muito provavelmente de prestar esclarecimentos sobre a recente divulgação pelo portal WikiLeaks de milhares de documentos retirados do correio eletrónico do seu diretor de campanha, John Podesta.

Entre os vários documentos divulgados estão três discursos remunerados que a candidata à Casa Branca fez para o banco de investimento Goldman Sachs, o que veio revelar os laços entre a democrata e as principais figuras de Wall Street.

Mas as sondagens dão vantagem a Hillary Clinton. As mais recentes, da estação televisiva NBC News e do jornal The Wall Street Journal, apontam para um avanço de 11% para a candidata democrata (48% contra 37% de Trump). Uma outra sondagem (ABC/Washington Post) coloca-a na frente, embora com uma percentagem menos expressivo: 47% contra 43%.