Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Obama: “Aconselharia o senhor Trump a parar de choramingar”

  • 333

Mark Wilson/GETTY

Barack Obama criticou esta terça-feira a “bajulação persistente” de Trump a Putin, acusando o candidato republicano de ser “irresponsável” ao falar em fraude eleitoral

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse esta terça-feira que o candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, é "irresponsável" quando fala sobre uma alegada fraude eleitoral nas presidenciais de 8 de novembro.

"É irresponsável e (...) mostra que não tem [as qualidades de] liderança e de firmeza que desejamos para um Presidente", sublinhou Obama, durante uma conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, em Washington.
"Aconselharia o senhor Trump a parar de choramingar e tentar defender as suas opiniões para obter votos", reforçou.

Em recentes declarações, o magnata do imobiliário afirmou estar a ser vítima de uma "elite global" e de uma "imprensa corrupta", que pretende viciar a eleição de 8 de novembro a favor da candidata presidencial democrata Hillary Clinton.

Obama também criticou Trump pelos comentários elogiosos que faz ao Presidente russo, Vladimir Putin, qualificando tais declarações "sem precedentes" como "incoerentes" com as posições defendidas pelo próprio Partido Republicano.

"A bajulação persistente do senhor Trump ao senhor Putin e a forma como parece moldar muitas das suas políticas e abordagens à política de Putin é algo sem precedentes na política americana", afirmou ainda Obama, que deixará a Casa Branca a 20 de janeiro de 2017.

O candidato presidencial republicano tem manifestado em diversas ocasiões a sua simpatia pela Rússia, bem como tem elogiado veementemente as qualidades de Putin, muito criticado pela comunidade internacional devido às posições que assumiu na Ucrânia e na Síria.

As relações bilaterais entre Moscovo e Washington estão particularmente tensas. No início de outubro, as autoridades americanas acusaram abertamente Moscovo de tentar interferir, através de pirataria informática, no processo eleitoral americano.