Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Irmão de El Chapo assume o comando do cartel de Sinaloa

  • 333

El Chapo foi recapturado a 8 de janeiro

EPA

Aureliano Guzmán Loera encarrega-se dos interesses familiares e é responsável pelo ataque que tirou a vida a cinco soldados

Aureliano Guzmán Loera, mais conhecido como "El Guano", assumiu a liderança do cartel de Sinaloa depois da prisão do seu irmão, Joaquín Guzmán Loera conhecido por "El Chapo", em janeiro deste ano. De acordo com o jornal espanhol "El País", Aureliano está encarregue da defesa de Badiraguato (cidade na região de Sinaloa), sede do cartel de Sinaloa e da maior zona de produção de ópio do Triângulo Dourado. O jornal adianta que as autoridades atribuem a El Guano o assalto ao comboio militar blindado de que resultaram cinco soldados mortos, a 30 de setembro.

El Guano, irmão mais velho de Joaquín, sempre viveu na sombra do irmão mais novo. El Chapo construiu o império que tirou a sua família da pobreza enquanto Aureliano era apenas o responsável pelo negócio da marijuana. Só a prisão de Joaquin o fez liderar um dos mais importantes cartéis de droga do mundo.

Segundo a polícia mexicana, o cartel está organizado em várias células independentes, aliadas em certos momentos de acordo com as suas necessidades estratégicas. Sob o comando de El Chapo a organização desenvolveu-se e expandiu-se para atingir a liderança no México. Mas com a sua prisão foram vários os grupos de traficantes que começaram a desafiar o domínio da família Guzmán Loera..

A guerra dos cartéis

Rivais de El Chapo, tais como Rafael Caro Quintero (ex-líder do cartel de Guadalajara que se suspeita ter reunido com os antigos aliados), o cartel Beltrán Levya ou o cartel Jalisco Nueva Generación, aproveitaram a prisão do narcotraficante para tentar ganhar território. Os concorrentes de El Chapo queriam mesmo que o cartel Sinaloa desistisse da corrida. Vários ataques contra El Chapo foram orquestrados pelos inimigos, entre os quais o rapto dos seus dois filhos, o ataque a Badiraguato (aldeia onde a família Guzmán Loera nasceu), a vandalização da casa da sua mãe.

Além do assalto ao comboio militar, El Guano já tinha fama de "duro" depois de assassinar o seu meio-irmão Ernesto Guzmán Hidalgo, sob suspeita de traição. Uma execução que agravou a guerra entre Sinaloa e Beltrán Levya, pois a vítima era sogro de Alfredo Beltrán Levya o que tornou a guerra pessoal. O novo líder do cartel de Sinaloa já entrou em diversos conflitos com outras células da organização e é responsável por vários casos de saque na região.