Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Reino Unido acolhe primeiras 14 crianças da “selva” de Calais

  • 333

PHILIPPE HUGUEN

É esperada ao longo desta semana a chegada ao território britânico de quase 100 refugiados menores que estão no campo improvisado da cidade francesa sem acompanhamento

Uma semana depois de a ministra britânica do Interior ter anunciado que o Reino Unido ia participar nos esforços para encerrar o campo de refugiados de Calais, em França, acolhendo algumas das mais de 1100 crianças que vivem na "selva" sem condições básicas (muitas sem acompanhamento), chegaram esta segunda-feira ao Reino Unido 14 dos menores que têm familiares próximos já a viver no país.

O grupo de menores é o primeiro de vários que, ao longo desta semana, serão levados para o território britânico pelo Ministério do Interior, sob um esquema de registo rápido criado para acelerar o desmantelamento do campo de refugiados, erguido há mais de um ano na cidade francesa, à entrada do Eurotúnel que atravessa o Canal da Mancha, ligando França ao Reino Unido.

Até ao final da semana são esperadas cerca de 100 crianças no Reino Unido, onde as aguardam familiares já instalados no país, na sua maioria de nacionalidade afegã, síria ou da etnia Bidun sem Estado, fugidas de perseguição no seu país-natal, o Kuwait.

A instalação no Reino Unido está prevista nas regulações da União Europeia, que ditam que menores com familiares próximos a viver num dado Estado-membro podem obter asilo imediato nesse país. Sob as regras comunitárias, em particular a Convenção de Dublin, os pedidos de asilo devem ser feitos no primeiro país seguro onde os refugiados chegam, mas no caso de menores o pedido pode ser transferido se os menores já tiverem familiares a viver noutro país.

Segundo a BBC, as 14 crianças transferidas esta segunda-feira para o Reino Unido foram registadas num departamento do Ministério do Interior em Croydon, onde as suas famílias as aguardavam em igrejas de portas abertas para albergar os reencontros.

Neste momento, cerca de dez mil pessoas ainda estão a instaladas no campo de Calais, batizado como a "selva" pelas condições deploráveis em que os requerentes de asilo vivem desde abril de 2015, quando foi erguido naquela zona, perto do porto marítimo e da entrada do túnel do canal da Mancha.

A cerca de seis meses das presidenciais francesas, e sob forte contestação social, o Presidente François Hollande disse recentemente que queria encerrar e demolir a "selva" até ao final do ano e recolocar os migrantes e refugiados noutros centros de receção espalhados pelo país. A BBC aponta que a demolição pode acontecer já na próxima semana. Organizações não-governamentais têm passado os últimos meses a alertar para a necessidade de garantir a proteção e segurança das crianças para que não engrossem as listas de menores desaparecidos antes de os seus registos serem processados.

A ministra do Interior do Reino Unido Amber Rudd diz que as autoridades estão a agir rapidamente para fazerem chegar ao território britânico cerca de 100 das 1179 crianças que ainda estão em Calais. Mas segundo a organização de caridade Citizens UK, que está a trabalhar em parceria com as autoridades, o tempo está a esgotar-se para garantir a transferência dos menores vulneráveis antes do antecipado desmantelamento da "selva" na próxima semana.