Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Atriz Shailene Woodley detida em protesto contra oleoduto

  • 333

Atriz da série “Divergente” foi uma das 27 pessoas detidas durante uma manifestação contra a construção de um oleoduto que irá atravessar quatros estados norte-americanos. O momento da detenção foi transmitido em direto na sua página no Facebook

A atriz Shailene Woodley foi libertada de um estabelecimento prisional de Dakota Norte esta segunda-feira, após ter pago uma multa de cerca de 450 euros e depois de ser intimada a comparecer perante um tribunal a 24 de outubro, para responder perante as acusações de invasão de propriedade privada e de provocar distúrbios.

Horas antes, a atriz da série “Divergente” e do filme “Snowden” fora uma das 27 pessoas detidas durante um protesto contra a construção de um gigantesco oleoduto que irá atravessar quatro estados norte-americanos e que conta com a oposição de ambientalistas e nativos americanos, que consideram que irá dessacralizar a sua terra sagrada e causar danos ambientais.

O momento da detenção foi filmado pela mãe da atriz e transmitido em direto no Facebook, tendo entretanto sido visionado cerca de 3,5 milhões de vezes. “Nós estamos a ir para o nosso veículo que eles cercaram e esperam por mim com armas gigantes e um camião gigante atrás, apenas para me poderem deter”, afirmou a atriz, considerando que estava a ser detida enquanto a maioria dos manifestantes era deixada em paz, “porque eu sou muito conhecida e porque eu tenho 40 mil pessoas a verem”. “Eu espero que vocês estejam a ver, mass media”, acrescentou.

Projeto da empresa Parceiros de Transporte de Energia, a construção do oleoduto está orçada em 3,3 mil milhões de euros. Os promotores afirmam que irá dinamizar as economias locais, argumentando por outro lado que é mais seguro transportar petróleo pelo oleoduto do que por veículos rodoviários ou por comboio. Os ambientalistas consideram contudo que a prevista passagem do equivalente a 570 mil barris de crude por dia pelo oleoduto irá causar a contaminação das águas.

O protesto desta segunda-feira decorreu num dos locais da construção, cerca de 3 quilómetros a sul da cidade de Santo António.