Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Furacão Matthew causa quase 900 mortos no Haiti

  • 333

HECTOR RETAMAL/GETTY

ONU alerta que será preciso esperar vários dias para ter a noção do impacto real do furacão na ilha caribenha

Pelo menos 877 pessoas morreram na passagem do furacão Matthew pelo Haiti, segundo o último balanço da Agência de Proteção Civil. Depois de ter atingido o estado da Florida, onde morreram quatro pessoas, a tempestade desloca-se agora para a costa norte da Carolina do Sul.

Embora esteja a perder intensidade – registando ventos na ordem 110 km/h – , o Presidente dos Estados Unidos já alertou para os graves danos que o furacão pode causar, nomeadamente inundações. “Há riscos potenciais nesta tempestade, de perdas de vidas e danos materiais severos”, afirmou Barack Obama. O estado de emergência foi decretado na Florida, Georgia e Carolina do Sul.

Entretanto, os EUA vãoenviar helicópteros militares e um navio da Marinha com equipas especializadas para ajudar a entregar água e mantimentos nas zonas mais isoladas do Haiti.

As Nações Unidas (ONU) já afirmaram que deverá ser preciso esperar vários dias para ter a noção do impacto real do furacão na ilha caribenha, sublinhando que há várias zonas do interior, sobretudo a sul, com difíceis acessos.

Segundo o diretor do Programa Mundial de Alimentos, Carlos Veloso, a ajuda humanitária só poderá chegar a algumas zonas do Haiti por via área ou marítima, uma vez que várias estradas foram cortadas com a tempestade. "Nesta altura, os números são provisórios e é expectável que venham a aumentar. Penso que, nos próximos quatro ou cinco dias, ou talvez mais tarde, é que se poderá ter uma avaliação mais clara do impacto do furacão", disse o responsável à BBC.

A cidade de Jeremie, situada no sudoeste do Haiti, foi uma das zonas mais atinjidas pelo furacão, estimando as autoridades que 80% do território tenha sido destruído.

O rasto de destruição no Haiti agrava a situação da ilha caribenha que nunca se conseguiu recuperar após o terramato que matou milhares de pessoas há seis anos.