Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Síria: presidente oferece amnistia aos rebeldes se eles se renderem e entregarem Alepo

  • 333

AMEER ALHALBI

Proposta não parece ter sido bem recebida e para já não há quaisquer planos para abandonarem a parte oriental daquela que é a maior cidade da Síria

Ana Baptista

Ana Baptista

Jornalista

O presidente da Síria, Bashar al-Assad, ofereceu aos rebeldes a possibilidade de saírem livremente do país e sem consequências, se se renderem e entregarem a parte oriental de Alepo. Contudo, a proposta não parece ter sido bem aceite.

Segundo avança a Reuters, o objetivo de Assad é ganhar de volta o controlo da parte oriental da cidade, a única que está nas mãos dos rebeldes, e assim avançar para o fim dos conflitos, que se intensificaram nas últimas duas semanas e de uma forma ainda mais violenta e destruidora. Mas os rebeldes não querem abdicar do controlo daquela parte da cidade, que é a maior da Síria e dizem mesmo que a oferta de Assad é uma desilusão.

Assad, que não deu nenhum prazo aos rebeldes para se renderem e aceitarem a sua oferta, estava a contar com o que se passou noutras cidades, como Daraya, um subúrbio de Damasco, em que os rebeldes aceitaram a amnistia oferecida e se renderam em agosto.

Mas "Alepo não é como as outras áreas, não é possível renderem-se", disse à Reuters um oficial turco do grupo Fastaquim, Zakaria Malahifjia.

Os EUA também não ficaram muito felizes com a ideia. "Sugerir que agora estão muito preocupados com os interesses dos civis é um ultraje", disse um porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest.

Até porque, ainda na quarta-feira, apesar de terem diminuído a frequência dos bombardeamentos para permitir que os civis fugissem, acrescentaram: "Todos aqueles que não aproveitarem a oportunidade para entregar as armas ou para sair vão ter de enfrentar um destino inevitável".

Estima-se que mais de 250 mil pessoas estejam presas na zona oriental de Alepo, que está totalmente destruída e, como tal, não oferece condições de vida, ou seja, há falta de comida, água e de cuidados médicos.