Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Furacão Matthew. Pelo menos 842 mortos no Haiti

  • 333

Dieu Nalio Chery/AP

Número é avançado pela Reuters e ainda é provisório. De acordo com o diretor do “World Food Programme” do Haiti, só nos próximos dias se terá uma ideia mais clara do número exacto de vítimas e das dimensões do impacto da passagem do Furacão Matthew no país

O número provisório de vítimas mortais do furacão Matthew na sua passagem pelo Haiti é, de acordo com contagem da Reuters, de pelo menos 842 pessoas. Este número não é ainda definitivo porque os acessos em muitas zonas afetadas são muito difíceis e as autoridades não recolheram ainda todos os dados.

Carlos Veloso, diretor do “World Food Programme” do Haiti, em declarações à BBC, garantiu que foi providenciada ajuda na península no sudoeste do país, local no qual foram reportadas várias mortes mas que, devido às estradas inundadas, o apoio a esta zona tem sido muito difícil, com os acessos apenas possíveis por helicóptero ou por mar. A queda de uma ponte que ligava a capital, Porto Príncipe, ao Sul do país também veio complicar a situação.

De acordo com a Reuters, as populações locais, perante o isolamento, têm-se ajudado mutuamente. “A minha casa não foi destruída e, por isso, estou a abrigar pessoas temporariamente”, contou Bellony Amazan, residente em Cavaillon, mas revelou ainda que não tem comida para dar aos sobreviventes.

Toda a parte sul do país ficou alagada sob torrentes de água e sujeita a ventos muito violentos, por vezes durante várias horas, reporta a Lusa. Os ventos fortes e as chuvas inundaram milhares de casas, danificaram escolas, destruíram plantações, empresas, estradas e pontes. Mais de 29 mil casas ficaram destruídas só no sul. O país está muito vulnerável às intempéries devido à forte desflorestação.

Cerca de 80% dos edifícios de Jérémie, capital do departamento de Grand'Anse (sul), foram arrasados, de acordo com Jean-Michel Vigreux, diretor da Organização Não-Governamental (ONG) Care Haiti.

Mais de 21 mil pessoas foram retiradas e 350 mil precisam de assistência com urgência, de acordo com o gabinete de coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU. A Federação Internacional da Cruz Vermelha estima que mais de um milhão de pessoas no Haiti foram afetadas com a passagem do furacão.

Várias ONG alertaram que não há rede de telemóveis, nem eletricidade e que as pessoas estão a ficar sem comida e água. A porta-voz da Cruz Vermelha americana, Suzy DeFrancis, garantiu que a prioridade era recuperar a rede dos telemóveis para poder haver comunicação.

Os Estados Unidos vão mandar nove helicópteros militares para ajudar a entregar comida e água nas zonas mais afetadas, escreve a BBC. A Unicef está a preparar ajuda para cerca de 10 mil pessoas, enquanto a "World Vision" vai fornecer água e ajuda sanitária a 50 mil famílias.

O furacão Matthew está agora a causar preocupação no estado da Flórida. Apesar de ter descido de grau de intensidade de quatro para três (numa escala máxima de cinco), o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, alertou que o furacão está ainda "muito perigoso" e que há um risco real de uma tempestade e inundações, segundo BBC.